Licença para sentir

Olá, bem-vind@ a este espaço de partilha de luz, amor e boas energias!

Recentemente houve na minha vida, um tópico que esteve presente sob várias formas. Quando isto acontece, é porque há uma mensagem a assimilar. Costumo dar ouvidos aos meus guias espirituais e anjos, e transformo-o em post, partilhando a informação.

Através da partilha, juntos crescemos, juntos apoiamo-nos e evoluímos, em amor e luz.

Sentimentos.

Aquilo que sentimos e como sentimos.

O que fazemos com esses sentimentos?

Sentimos?

Disfarçamos e mascaramo-os, arranjando distracções?

Ignoramos?

Ou enfrentamo-os?

Quando os sentimentos são bons e alegres, são fáceis de vivê-los e ficar com eles.

Mas, e quando o sentimento que surge é-nos desagradável? Quando nos faz sentir mal, desenquadrados, sem rumo, tristes, zangados com a vida…. O que fazemos?

Para a grande maioria de nós, a solução é disfarçar, arranjar uma outra distracção que nos faça esquecer e desligar daquilo que sentimos, ignorando esse sentimento difícil de estar com ele.

É o por vezes chamado “beber para esquecer”, arranjando refúgio no álcool, drogas, ou medicamentos inibidores de sentimentos.

É o arranjar “um outro amor, para esquecer o anterior”, na esperança que o novo amor vá apagar rapidamente toda a dor e sofrimento que o anterior provocou.

É o arranjar uma desculpa para não fazer algo, que nos faça lembrar e viver esse tal sentimento doloroso.

É camuflar a dor e o desconforto com uma tarefa que nos impeça de sentir e nos deixe distraídos com outra coisa qualquer. É ocupar a mente, na expectativa de distrair o coração na presença da dor.

Reconheces algum dos pontos acima?

Eu confesso, que muitas vezes dei por mim a fazer algo, para não ir ao centro do sofrimento. Algo que me mantivesse ocupada, e distraísse o meu coração que sofria.

Mas e o que acontece a seguir, quando passa o efeito do álcool, das drogas, dos medicamentos, quando o novo amor repete um padrão de sofrimento, ou quando a tarefa termina? Repetimos tudo de novo? Voltamos ao início da roda? Complicado….

Sim, sentir a dor é complicado. Sofrer dói. E às vezes, dói mesmo muito.

É complicado dizer aos outros que não estamos bem. É complicado até mesmo para nós próprios, assumirmos que algo está mal.

A sociedade não nos ensinou a sermos fracos. As redes sociais mostram maioritariamente uma onda de felicidade, que levam muitos a compararem-se com vidas alheias e a quererem ser também assim.

Mas é importante estar presente para a nossa dor. É importante saber percebê-la, acolhê-la, e respeitar a dor.

Quando nos permitimos parar e analisar a razão, ou os motivos que levaram ao sofrimento, estamos a dar-nos espaço para nos encolhermos (sentir a dor) e depois então esticarmo-nos (perceber o que tem de ser mudado e dar o primeiro passo).

Se “encolher” e ficar no casulo da dor requer coragem e humildade, “esticar” requer atrevimento.

Tal e qual como um coelho, que se acomoda na sua toca, protegendo-se e depois sai novamente para a clareira inundada de sol, há que saber ser vulnerável e atrevermo-nos a co-criar algo novo, descobrir novas possibilidades, ver de novo a luz.

Na luz, vemos o que gostamos e o que não gostamos. No escuro… temos dificuldade em ver.

Mas na luz, também vivemos e atrevemo-nos a ser felizes. No escuro… ficamos adormecidos.

Está tudo bem em admitir que não estamos bem, em sermos vulneráveis, em não saber o que fazer. Ao estarmos presentes com consciência na nossa dor, e darmo-nos licença para a sentir, estamos a um passo da mudança. Este é um estado de espírito que permite que o “clique” aconteça e que a curiosidade e o desconhecimento se tornem numa ferramenta útil, para transmutar e curar a dor.

O verdadeiro bem-estar está dentro de nós, no momento em que imergimos no nosso interior, e nos rendemos com humildade e amor por nós próprios. É para nós e só por nós, que o devemos fazer.

É nesse momento de rendição que a porta da mudança se abre e o universo nos mostra um campo fértil de possibilidades, de oportunidades e mudanças prontas para serem abraçadas por nós.

Deixemos de lado “as peneiras que tapam o sol” na nossa vida. Fomos concebidos para sentir e ter sentimentos é das mais nobres riquezas que podemos ter.

“Quem não se sente, não é filho de boa gente”, é uma frase que ouvi muitas vezes e é bem verdade!

Atrevamo-nos a sentir e a descobrir novas oportunidades de mudança, de crescimento, de evolução e a redescobrir o sol nas nossas vidas, mas acima de tudo, o sol que há em nós, que brilha em nós.

Abraça este Espírito do Coelho, que surge agora com o início da primavera. O Espírito do Coelho convida a sair da toca para um prado ensolarado e fértil, e a usufruir de uma vida com experiências maravilhosas. Ele traz consigo a renovação da vida, e a energia das coisas novas, apesar da sua vulnerabilidade. O coelho sabe que é cá fora, à luz do sol, que a magia acontece.

Agradeço a tua presença aqui no blog, e desejo-te uma semana doce e luminosa.

Com amor, Teresa

Gratidão pela imagem: TPSDave @Pixabay

Rituais e práticas holísticas

Hoje vou falar-te de alguns dos meus rituais e práticas holísticas.

São acções com intenções específicas, nas quais coloco as bênçãos que me dão apoio, nutrem e me ajudam a manter o equilíbrio. Umas são diárias, outras mensais, anuais, ou sempre que necessito trazer uma nova energia à minha vida. Umas são muito simples, outras mais elaboradas. E como em qualquer prática holística, elas visam o bem-estar geral do ser humano como um todo.

Mas há uns ingredientes que todas têm em comum: uma excelente dose de amor, muita gratidão e claro a mais bela das magias de luz.

Estes rituais, ou práticas, se assim lhes preferires chamar, ajudam-nos a ficar mais conectados com a vida, e com tudo o que nos rodeia num livre fluxo de comunicação entre os mundos de energias espirituais, emocionais e físicas. Quando estamos mais alinhados e em equilíbrio, conseguimos manifestar com consciência aquilo que desejamos e necessitamos Continue reading “Rituais e práticas holísticas”

Imensa gratidão

Hoje acordei com aquela sensação de “Não posso”.

Não posso deixar de escrever um último post este ano, para agradecer todas as coisas boas (e menos boas também) que experienciei no último ano, na última década e partilhá-las contigo e com o mundo. A Gratidão é das acções com vibração mais elevada que existe.

Quando agradecemos algo, descobrimos a semente do amor. E mesmo que seja perante uma situação adversa, a gratidão tem o dom de transmutar a energia e eleva-la a um nível superior de expansão e iluminação.

Bem, mas hoje não me vou alongar nos benefícios da gratidão, porque a minha intenção é mesmo agradecer simplesmente e fechar este ano e esta década com chave de ouro.

E porque estamos aqui no blog,

Agradeço-te primeiro a TI, que me lês com todo o teu coração.

Agradeço a todos aqueles leitores, que assim que um post é publicado, vão lê-lo com amor.

Agradeço aos leitores de Portugal, que são o meu primeiro público, aos leitores do Brasil, que ficam coladinhos e imediatamente a seguir,  e a todos os outros leitores que espalhados por este lindo planeta elevam estas sementes em forma de palavras, a uma escala mundial. Vocês são FA BU LO SOS ! Grata!

Agradeço a todas as pessoas que conheci Continue reading “Imensa gratidão”

Na montanha russa

A semana passada foi para mim um pouco turbulenta a nível de emoções, talvez por causa da lua cheia em escorpião… sei lá. Não é que perceba muito de astrologia, ou melhor dizendo percebo muito pouco, mas tenho noção de que as fases lunares afectam-nos de forma muito especial e nem sempre é fácil gerir as emoções que vêm com elas.

Entretanto recebi de um primo, que é um doce de pessoa, um vídeo lindo e que me inspirou a escrever-te este texto. Desfruta! É para ti com muito amor.♡

O antes e o depois

Se eu olhar para o trajecto da minha vida, tenho a sensação de que existem duas eras: uma antes do Reiki e outra depois do Reiki. Refiro-me à minha Iniciação no Reiki e ao despertar espiritual para uma nova consciência de mim própria, enquanto mais do que um simples ser humano no mundo.

Tenho a sensação de que durante a primeira fase, a minha vida corria quase Continue reading “Na montanha russa”

Foco e energia nas palavras

Bom dia com Alegria!

Escrevo-te este post em pleno dia de chuva de Primavera, seguido de um outro dia em que a chuva era de tal modo dançante (gosto de a apelidar desta forma), que se enfiava por todo o lado, mesmo até debaixo de locais cobertos, molhando tudo e todos.

Estamos na Primavera e a chuva faz falta, especialmente esta miudinha e levezinha, é o que muitos dizem, mas a verdade é que viver a Primavera com dias cinzentos obriga a um esforço extra da nossa alma, para nos animarmos. Verdade?

Aqui no blog partilho contigo o lado B da vida, o lado bom e positivo; então vamos lá elevar o animo e transformar as nuvens da nossa vida em raios de sol luminosos e que nos aquecem o coração.

No outro dia estava a fazer uma pesquisa na net e apareceu-me uma lista de medicamentos para ter em casa, antes de um recém-nascido chegar à luz deste mundo, só para o caso de vir a ter alguma doença, ou algum mal-estar nos primeiros dias de vida. De início achei graça, porque lembrou-me a minha primeira gravidez (há bastante tempo atrás) e sim, cumpri os predicados desta lista, não fosse acontecer alguma. Depois fiquei um pouco triste… estamos em 2019, numa era em que se dá primazia às atitudes positivas e às boas vibes Continue reading “Foco e energia nas palavras”

Uma caixa de surpresas

A vida é das coisas mais maravilhosas que existe. Desde que nascemos, até ao momento em que o nosso corpo deixa de ter vida, recebemos todos os dias a dádiva de presenciarmos esta maravilha em todo o seu esplendor, desde as mais minúsculas coisas, até às mais grandiosas.

Todos os dias tudo muda. E todos os dias tudo está diferente. Não há um único dia que seja igual ao anterior e não há um único dia em que eu possa ter a certeza do que vai acontecer. Se é assustador? Sim, poderá ser. Se é maravilhoso? Sim, também poderá ser.

Tudo depende da forma como estou na vida; na maneira como trago a minha presença à vida, a cada Continue reading “Uma caixa de surpresas”