Curar e fazer as pazes com o passado

Há muito que oiço dizer que estamos todos interligados, que os nossos pensamentos e energia afetam o mundo à nossa volta, que aquilo que é repetido várias vezes no nosso pensamento, mesmo sem darmos conta, tem a capacidade de se manifestar no mundo físico.

Uns acreditam, outros nem por isso e duvidam, e está tudo bem.

No entanto, este é um conceito que já enraizei há muito dentro de mim. Já tive a possibilidade de perceber na prática que tudo está mesmo (!) conectado, e que as nossas energias se interligam como que numa malha cósmica, e que coincidências, simplesmente não existem.

Comecei em meados de março uma formação com a querida Inês Gaya, que me tem levado às profundezas do meu ser. E quando digo profundezas, é mesmo lá no fundo assim do tempo em que era criança, onde vivências e situações me marcaram de forma profunda. Essas memórias, que supostamente estavam resolvidas e apagadas, afinal estavam era dormentes e conseguiram limitar-me em determinados aspetos da vida. Umas já consegui identificar e fazer a cura, mas outras há que surgiram bem vivas novamente. Neste momento estou num firme compromisso em curar e fazer as pazes com o passado, o meu passado. Sem culpar ninguém, simplesmente observar, curar e transformar.

Curar e fazer as pazes com o passado

Este processo de ir ao passado, e identificar o que nos causou traumas, dores, bloqueios, faz parte do processo de cura de todos nós. É importante ir à raiz do problema para o podermos identificar, libertar e redefinir. É claro que isto não muda o nosso passado, nem tão pouco o apaga, mas permite que a pessoa que somos hoje possa passar a atuar e a viver numa mais alta vibração, sem as amarras e limitações que o passado nos colocou e com toda uma nova postura de perdão, aceitação e integração com amor.

Continue reading “Curar e fazer as pazes com o passado”

“No meu tempo”

A semana passada ouvi por várias vezes (muitas mesmo!), a expressão “no meu tempo”. Ouvi-a dita por pessoas jovens e por outras mais experientes. E a expressão ficou-me a bailar na cabeça…. O que será que na realidade as pessoas querem dizer com esta expressão?

“No meu tempo”

Ao longo da minha vida fui ouvindo esta expressão dita, na maioria das vezes por pessoas bem mais velhas do que eu. O meu avô era uma dessas pessoas. Uma pessoa super querida (nunca vi ninguém com tanta paciência como o meu avô)! Ouvi-o por várias vezes dizer por exemplo, que “no meu tempo é que a música era boa; agora é só tãca-tãca-tãca-tãca” e “aqueles gadelhudos dos Beatles?…”. Acho que o meu avô se ia passar com a vida actualmente!

Vinda de pessoas mais seniores, a etiqueta do “no meu tempo” até me parece que se encaixa bem. É uma questão de formatação da educação que tiveram, e maioritariamente são pessoas que não se adaptaram à rapidez da evolução na vida (em vários parâmetros) a que assistimos e continuamos a assistir. Eu nasci em 1970 e tenho a sensação de que até perto do ano 2000, a vida decorreu em câmara lenta Continue reading ““No meu tempo””