O meu templo sagrado

Esta semana deparei-me com um post cuja imagem era caricata, mas muito pertinente.

Na imagem estava um doente numa maca a ser transportado. O maqueiro, devidamente protegido com toda aquela parafernália de proteção anti-Covid perguntava: “Tem ideia de como ficou doente?”, ao que o doente respondeu: “Vendo noticias.”

Dá que pensar, não é?

É certo que passamos por momentos únicos e extremamente desafiantes. Dificilmente imaginaríamos tal cenário fora de um écran de televisão, ou cinema. Mas agora que estamos a vivê-lo, não há como fugir.

Estar confinado em casa a trabalhar, estudar ou simplesmente estar seja porque motivo for, não facilita. Há uma tendência para ocupar o tempo de forma rápida e fácil, que recai maioritariamente na televisão. É o chamado consumo fácil, à semelhança do pronto-a-comer.

Sentar em frente da televisão a “ver as notícias”, é uma das opções mais escolhidas. Pois quem é que não quer ficar a par da evolução da situação, na esperança de ouvir uma notícia apaziguadora do sofrimento interior que a sociedade vive?

Ver, ou não ver notícias?….

Mas os media continuam iguais a si mesmos. Continuam a dar destaque às notícias mais sensacionalistas. Aquelas que causam furor nas hormonas da sociedade. Quanto mais empolgantes melhor. Infelizmente, são essas que aumentam as visualizações das mesmas…. (ai… desabafos…)

Sou a favor de se estar a par das notícias. Perceber o que se passa na nossa cidade, país e no mundo, ajuda-nos a estar presentes na vida.

Mas sou ainda mais a favor de ouvir/ler as notícias de forma consciente. Já há muitos anos que deixei de ver noticiários televisivos. Quando muito vejo uma reportagem, se o tema abordado fizer sentido para mim. De resto, ouço as notícias na rádio, em modo condensado (!) e breve, e se desejar saber algo mais profundamente, procuro na web, pois sei que os meus anjos me guiarão para a informação que necessito, ou que estou aberta a receber.

Continue reading “O meu templo sagrado”

Consciência, mesmo num gesto simples

Estamos já em 2021… Céus, como o tempo voa!…

Desejo que te encontres bem e que a celebração das festividades tenha sido acima de tudo, com muito amor e saúde, junto de quem amas e queres bem.

Estarmos bem é cada vez mais uma preciosidade. E muitos de nós já descobriram, que não é preciso ter grandes luxos materiais para nos sentirmos bem, certo? O básico, o confortável, o saudável e bom, é o essencial para o nosso bem-estar diário. Até porque luxo, não tem de ser sinónimo de um grande investimento financeiro, pois pode ser algo tão simples como estar na presença de alguém que nos é muito querido.

Este ano começo com um texto que talvez possa soar a contestação, mas é minha intenção trazer luz à forma de nos consciencializarmos dentro da sociedade em que vivemos.

Buzinar….

Vivo numa ponta desta cidade linda que é Lisboa, mas que é isso mesmo…., uma cidade com toda a sua azáfama. Parece que numa cidade andamos todos um pouco acelerados…

Se há coisa que me incomoda bastante, são as buzinadelas “fáceis” no trânsito e as ultrapassagens “à maluca” de quem vai cheio de pressa para algures. Já para não falar no ruido das sirenes dos veículos prioritários, que nos entram pelos ouvidos dentro, seja a que horas for – vá lá que durante o período noturno, a coisa abranda!

No outro dia, dentro de um estacionamento subterrâneo e por causa de algo tão banal, que já nem me lembro o quê, criou-se uma fila considerável. E eis que alguém se lembra de buzinar…. Oh céus! Por favor!!! Buzinar na rua já é o que é, mas buzinar dentro de um estacionamento…. É o verdadeiro caos para a sanidade dos nossos queridos ouvidos.

Não! Buzinar não resolve nada. Na maioria das vezes só atrapalha. Se tu conduzes, já reparaste que quando há trânsito e se ouve uma sirene ficamos todos tipo baratas tontas a desviarmo-nos sem saber bem para onde. Ok, é necessário por vezes passar com urgência, mas já estava na hora de criarem umas coisas menos barulhentas, não? Basta chamar a atenção do pessoal com um som diferente… não é necessário aquele festival todo de ruído. Também concordas?

Será que é mesmo necessário….?

Continue reading “Consciência, mesmo num gesto simples”

Café ou chá e como substituir um pelo outro

Bom dia alegria!

Antes de mais, quero agradecer a tua paciência em aguardares por mais um post meu. Esta pausa teve como base as minhas férias, e desta vez entreguei-me mesmo ao descanso, à recuperação de energias e ao tempo útil em família. Grata pelo espaço que me concedeste e grata por estares de volta também.

Hoje venho partilhar contigo uma outra mudança, que com sucesso manifestei recentemente na minha vida. As mudanças, grandes ou pequenas, desde que sejam para nosso benefício são sempre bem-vindas. São elas que nos mantêm vivos, produzindo melhorias e maior bem-estar.

Café! Sim aquela bebida deliciosa, super aromática e com uma cor tão cativante. Amo café! Amo o cheiro! Amo o ritual de após uma boa refeição beber um delicioso café.

Então, mas o que tem o café, deves estar a questionar? O café não tem nada, eu é que comecei a dar-me mal com ele. A nossa relação foi-se degradando, se bem que eu o continue a amar. Neste café ou chá e como substituir um pelo outro, partilho contigo este tema de mudança, que assim à primeira vista mais parece uma novela, mas que mostra que a vida nos oferece sempre oportunidades valiosas, quando menos esperamos.

Continue reading “Café ou chá e como substituir um pelo outro”

Quando fores grande o que queres ser?

Bom dia alegrias!

Pelo título, este post pode levar a pensar que é dirigido a crianças, ou a adolescentes. Mas não, este post é mesmo dirigido a ti. Ou melhor, é dirigido à criança eterna que há em ti.

Dentro de cada um de nós sempre haverá a essência da criança que fomos. Nuns poderá estar meio adormecida, noutros talvez de certa forma ignorada, ou na melhor versão para alguns, ela estará bem viva e pulsante, ávida de novas experiências.

No outro dia perguntavam à Clarinha, quando fores grande o que é que queres ser? E esta questão lembrou-me do tempo em que me perguntavam o mesmo a mim. Já não me lembro bem do que respondia na altura, mas sei que as minhas opções iam variando consoante aquilo que me atraia e despertava interesse no momento.

Hoje em dia com tanta oferta de especializações que existe, pode ser um caos escolher uma profissão, um curso, uma área de estudo. E a incerteza do sucesso na obtenção de um trabalho de acordo com o curso terminado, é tão grande que leva a que muitos jovens não saibam com clareza, o que querem ser quando forem grandes.

Já reparaste como tudo muda tão rapidamente? Quando os meus pais eram jovens havia a expressão “casar com o emprego”, ou “um emprego para a vida”, porque a pessoa mantinha-se no mesmo emprego até à reforma. Era uma espécie de estabilidade adquirida. Hoje, muitos terminam um curso e vão trabalhar numa área completamente diferente daquela em que estudaram. E ao longo do percurso laboral, a mudança de área continua.

Estas mudanças constantes não sinto que venham só de incertezas (económicas, financeiras, pessoais…), mas sim da procura pelo bem-estar e satisfação pessoal. Uns estarão focados na questão material e nos ganhos financeiros obtidos, outros estarão focados na procura de uma maior realização pessoal. A evolução mundial tem sido tão acelerada que permite e fomenta estas mudanças constantes.

Mas o que mais me deixa maravilhada no meio destas mudanças todas, é saber que existem empresas que continuam a contratar pessoas mais “crescidas”. É que se há uns tempos alguém com 40 e tal anos ou mais, estava fora do mercado de trabalho caso ficasse sem emprego, hoje em dia isso não acontece. E porquê? Porque dentro dessas pessoas “mais crescidas” a tal criança interior continua atrevida, viva e cheia de vontade de conhecer novas perspectivas. São pessoas com uma capacidade imensa de se reinventarem e recomeçarem de novo, com a mesma garra de uma primeira vez.

Quando fores grande o que queres ser?

Esta história do confinamento e do vírus veio dar vida a este nosso lado criativo e renovador. Quantos de nós ficaram sem trabalho durante esta fase e tiveram de “fazer pela vida”… e reinventaram-se pegando naqueles projectos antigos que estavam enfiados numa gaveta esquecida. E, entretanto, descobriram em si novos talentos, um ânimo pela vida e prazer naquilo que fazem, levando-os a sentirem-se completos e realizados.

E não é isto o mais importante? Sentir ânimo pela vida, sentir-se completo e realizado naquilo que se faz?

Aquilo que em criança queríamos ser quando fossemos grandes, pode não ter nada a ver com a realidade actual, mas no fundo o que desejávamos era que ao termos aquela “profissão” nos sentíssemos bem, realizados e com imenso prazer a fazê-la.

Esta capacidade de sonhar e imaginar, não está só à disposição das crianças. Ela deverá estar presente em cada um de nós, seja qual for a idade que possamos ter. Não há limite de idade para sonhar. Não há limite de idade para alcançar aquilo que no dá prazer. Não há limite de idade para nos sentirmos completos e realizados.

E mesmo que por vezes um caos possa surgir na nossa vida, e nos force a mudar sem mais nem menos de trabalho ou de profissão, é porque de alguma forma andávamos a ignorar as mensagens que o universo nos foi enviando, tentando chamar a nossa atenção para a necessidade de mudança de rumo.

Mudar para melhor não tem idade

O universo prepara sempre o melhor para nos oferecer e para o nosso bem. Nós estamos aqui na Terra, para nos descobrirmos e experienciarmos o melhor das nossas qualidades pessoais. Quando não damos ouvidos às mensagens que nos são enviadas, acontece-nos algo assim do género ou vai ou racha 😊 e muitas vezes, racha mesmo.

Ao longo da minha vida, o universo já me fez passar por algumas experiências do género. Houve caos, houve desanimo, houve não saber qual era o meu caminho. Hoje já estou mais desperta às tais mensagens; o que não quer dizer que não me questione. Por vezes questiono-me tanto que levo um empurrão dos meus amigos anjos. Mas olho para trás e vejo que do caos surgiram novas oportunidades e que tudo estava correcto e aconteceu no tempo certo.

É tão bom conseguirmos reinventarmo-nos. É bom descobrir novas qualidades e dons em nós. Dá-nos vida e ânimo, faz-nos sentir realizados e isso não tem preço. Esta é a verdadeira essência da vida: sentir prazer naquilo que fazemos.

Quando nos permitimos usufruir deste prazer conscientemente e com todo o nosso ser, tudo o resto flui à nossa volta.

Ao leres este texto, provavelmente já te identificaste com algum momento descrito. Qual foi a maior reviravolta na tua vida? Qual foi o teu maior desafio?

Se ainda estás em processo de mudança e adaptação, confia. Foca-te naquilo que o teu coração quer manifestar. E vais ver que mais cedo, ou mais tarde irás ter clareza sobre qual a direcção que deves seguir. E se entretanto, tiveres de mudar o rumo também está tudo certo. A vida é feita de conquistas e aprendizagens. Não há ninguém com sucesso na vida, que não tenha experienciado o erro, o caos ou o falhanço.

Há muitos anos que tenho um mantra que vou repetindo sempre que vejo algo, ou alguém bem-sucedido na vida:

Quando eu for grande, também vou ser assim.

Seja qual for a nossa idade, o “ser grande” não se limita a uma determinada fase da vida, mas sim à forma como nos sentimos ao vivê-la. Ser grande é termos em nós toda a luz, toda a vitalidade que nos faz amar a vida ao máximo. É sermos e sentirmo-nos completos e realizados com o que fazemos.

E tu, quando fores grande o que queres ser? Ou será que já és….. 😊

Agradeço a tua presença aqui no blog e desejo-te uma semana maravilhosa e muito iluminada.

Com amor,

Quando fores grande o que queres ser?_2

Mas afinal, o que é voltar à normalidade?

Bom dia com Alegria!

Estamos em pleno verão, o tempo está óptimo e muitos estão de férias, ou quase a ir. Nós cá em casa, decidimos mais uma vez ir de férias mais tarde. Gostamos de fugir das “confusões”, sempre que podemos.

Mas este ano, o factor férias foi um pouco condicionado com todas as adaptações resultantes dos efeitos do vírus nas nossas vidas. Há quem nem sequer vá de férias. Há quem tenha visto a sua vida virada completamente do avesso, sem saber bem o que fazer, ou como gerir a situação em que se encontra. Mas também há, quem se tenha (re)descoberto e aproveitado a situação para mudar de vida, ou de trabalho.

Há ainda o rótulo, ou a expressão “voltar à normalidade”, que muito tenho ouvido por aí, associada à grande vontade de voltar à normalidade.

Mas afinal, o que é voltar à normalidade?

E eu pergunto-me, o que é a normalidade? Será que isso alguma vez existiu?… Há dias em que me questiono, e requestiono (não sei se esta palavra existe, mas avancemos) sobre o que estamos a viver. E questiono-me se as pessoas saberão realmente, o que estamos a viver neste momento.

Fazer um flashback, ajuda-nos a entendermos melhor o que estamos a processar e perceber qual é a próxima direcção a seguir.

Continue reading “Mas afinal, o que é voltar à normalidade?”

Como criar uma mudança na minha vida e conseguir mantê-la

Bom dia com Alegria!

Ao longo da vida descobri várias práticas que poderiam trazer-me imensas vantagens e criar uma mudança positiva na minha vida. Comecei cheia de entusiasmo e depois o que aconteceu…. Puf! Foi-se. Abandonei. Desisti.

Esta situação é familiar para ti? Se sim, este post é para ti, para te inspirar a criares uma mudança na tua vida e conseguires mantê-la, porque entretanto já percebi o que me levava a falhar e descobri como o evitar.

Já não é a primeira vez que descubro algo novo, que me pode oferecer bem-estar e benefícios. Confesso que a prática de exercício físico, era frequentemente uma delas…. Começo com aquele entusiasmo característico do início, mas a verdade é que com o tempo, há algo que surge e me faz perder o interesse, ou de alguma forma desconectar-me com determinada prática. Mas acabei por perceber que se tratava de uma questão de auto-disciplina e de limites saudáveis. E isso fez toda a diferença!

Como criar uma mudança na minha vida e conseguir mantê-la

Todos nós temos uma dose diária de auto-disciplina. É assim como um depósito energético, que nos faz cumprir os objectivos que temos para realizar ao longo do dia.

Quando sobrecarregamos essa lista de objectivos diária, a percentagem de auto-disciplina esgota-se rapidamente e aqueles items menos importantes, ou que são menos relevantes, vão ficando para depois. Ás vezes ficam mesmo para depois…. e depois do depois…. até que os ignoramos de vez e os excluímos da nossa lista.

Começar por ter noção dos nossos limites saudáveis é o primeiro passo. Tudo aquilo que leva à exaustão ou gasto excessivo de energia, debilitando o desempenho de outras tarefas importantes, fica fora dos nossos limites saudáveis, o que por outro lado nos leva para uma zona de desconforto.

Mas e então aquela questão super importante sobre os benefícios pessoais de “sair fora da zona de conforto”? Pois é! Sair fora da zona de conforto é importante, mas mais importante é fazê-lo com consciência, convicção e sobretudo de um modo consistente.

Continue reading “Como criar uma mudança na minha vida e conseguir mantê-la”