O dia em que fiz as pazes com Deus

Fui educada na religião católica. Batizada, primeira comunhão, crisma…. percorri, por assim dizer o percurso todo. O meu pai, foi educado num convento. Ali estudou até à idade adulta, mas tirando o meu casamento, não me lembro de o ver a frequentar a igreja (o que sempre me espantou, mas no entanto, nunca me contou a razão).

Cresci a pensar que tínhamos de ser muito bons, senão Deus castigava e íamos para o inferno. Na catequese, foi-me ensinado que era necessário haver a prática de confessar regularmente os meus pecados a um padre, para me purificar. Lembro-me de em vésperas de festividades, sempre que havia o tal momento da confissão, ter imensa dificuldade em enumerar os meus pecados. Pensando bem… qual será a criança que tem assim pecados para confessar?…

Ao crescer, comecei a perceber que as pessoas que iam à missa e que tinham um comportamento exemplar na igreja, cá fora nem sempre se passava o mesmo. Lembro-me inclusive de assistir a atitudes de julgamento e desrespeito por um ser humano, geradas pelo próprio padre em plena celebração da missa.

Zanguei-me com o padre. Zanguei-me com a igreja. Estava na adolescência e deixei de ir à missa. Voltei uns anos mais tarde, pelas mãos de amigos que pertenciam ao grupo de jovens da igreja, com a promessa de que o novo padre era fixe. Cheguei a cantar no coro da igreja. Mas o tal bichinho que se revolvia com algumas situações, ainda estava dentro de mim e causava-me comichões.

Casei pela igreja, eduquei os meus 3 filhos mais velhos na religião cristã. Ia à missa e até consegui convencer o meu marido a ir também (coisa que não fazia desde a infância). Mas houve um dia, em que me cansei de ouvir sempre o mesmo nas homilias: que nunca somos bons o suficiente; que Deus castiga; que o inferno e o purgatório são uma coisa horrível para quem não cumpre as regras (da igreja).

Zanguei-me de vez. Deixei de ir à missa. Zanguei-me com Deus por permitir que dentro da sua igreja houvesse pessoas que fazem mal a outras. Zanguei-me com Deus por julgar e punir. Que Deus mau é este? Não quero isto para mim, disse eu na altura.

Dentro de mim sempre houve algo que me dizia, que não podia ser assim tão mau, aquilo que a igreja me transmitiu. Que essa coisa da serpente, da culpada da Eva por ter dado ao Adão a maçã do paraíso, e da sentença do “parirás com dor”, era demasiado violenta e corrosiva.

Continue reading “O dia em que fiz as pazes com Deus”

Como usar as cores mais apropriadas no dia a dia – a forma como nos influenciam e criam o ambiente à nossa volta

Bom dia com ALEGRIA!

Já alguma vez apreciaste com todo o teu ser, as cores que te rodeiam? Todas elas?

E sabias que elas têm uma linguagem muito própria, que comunica connosco e com tudo o que nos rodeia?

Neste post vais descobrir como usar as cores mais apropriadas no teu dia a dia e a forma como nos influenciam e criam o ambiente à nossa volta, habilitando-te a criares melhores resultados e efeitos mais concretos, de acordo com o que desejas manifestar.

De certo já ouviste falar na cor das cuecas que se usam na passagem de ano, e no significado que elas podem ter. Nesse momento específico, em que transitamos para um novo ano e queremos atrair coisas boas para a nossa vida, há quem tenha um cuidado especial, na escolha da cor das cuecas que vai usar. É assim criado um ritual simples para atrair uma determinada energia, no novo ano.

Então, porque não fazê-lo durante todo o ano? Não só com a escolha da cor das cuecas, mas com toda a roupa, acessórios, e até mesmo com as cores com que decoramos a nossa casa, a escolha da cor do carro… e muito mais.

Continue reading “Como usar as cores mais apropriadas no dia a dia – a forma como nos influenciam e criam o ambiente à nossa volta”

Concluir e avançar

Com o aproximar do final do ano, temos tendência a olhar para trás e fazermos uma espécie de balanço sobre o que desejávamos obter, o que conseguimos atingir e o que não foi concluído, para depois lançarmos sementes para o próximo ano. Mas este final de ano é ainda mais especial para esta prática, pois é o final de uma década.

Durante 10 anos, muita coisa muda. Mudamos nós, muda a nossa energia, muda o mundo à nossa volta. Aquele que éramos há dez anos atrás, poderá ser tão diferente daquele que somos agora, que ter dificuldade em reconhecermo-nos, é perfeitamente normal.

Uma década de mudanças

Continue reading “Concluir e avançar”