Sonhar e concretizar

Olá, bem-vind@ novamente!

Fico muito feliz e agradecida por te sentir desse lado, a leres-me.

Para quem me acompanha no Instagram, já deve ter percebido que estou em viagem. Sim! Estou novamente na Tailândia!

Gostámos tanto da Tailândia, que eu e o meu marido resolvemos voltar outra vez, para repetir e aprofundar Banguecoque e conhecer outros locais neste país de uma cultura riquíssima. E se da primeira vez, trouxe o meu marido quase a “reboque”, desta vez, foi ele que quis vir – claro que eu dei um jeitinho 🙂

Por ser um país tão longínquo de Lisboa, com tantas horas de voo pelo meio, pode parecer algo difícil de se alcançar. Seja financeiramente, socialmente, pessoalmente. Muitas coisas “mente”. E é isso mesmo, uma coisa da mente, da nossa mente!

A mente é aquela que consegue bloquear imensa coisa na nossa vida, e distorcer a realidade. Mas quando queremos com todo o nosso coração, tudo se transforma, tudo se desbloqueia.

Por vezes, leva anos até que algo se manifeste na nossa vida. Mas por outro, se estivermos bem abertos e preparados para receber, existem verdadeiros milagres de manifestação de desejos.

Hoje partilho contigo, o meu processo de tecer e manifestar algo, que eu considero em grande, na minha vida.

A primeira viagem que fiz à Tailândia, levou anos até que a conseguisse manifestar na minha vida. Talvez porque precisasse de libertar bagagem emocional, talvez porque ainda existissem alguns “pré.conceitos”. Simplesmente eu não estava disponível energeticamente, para viajar até lá.

Desde miúda que sonhava com lugares paradisíacos e praias fabulosas. Hoje, as praias são um mero acessório nas minhas viagens. Sou tão, mas tão apaixonada pelas diferentes culturas, pelas gentes que coabitam este mundo lindo, que é o suficiente para ser mote de viagem. Não me refiro a museus, não. É mesmo o andar pelas ruas e fazer parte daquele mundo. Absorver e ser absorvida pela energia do lugar.

Então, e como faço?

Isto é válido para qualquer tipo de co-criação, apesar de aqui usar como exemplo, a viagem.

Se há algo que me desperta a atenção, e eu sinto que me vai beneficiar de alguma forma, ou que existe algum tipo de atracção latente, começo a pesquisar e a ver imagens, ler, ver vídeos sobre o que quero atrair para mim. Sim, comprei um guia da Tailândia sem ter a certeza de ir lá!

Ao início, ficava fascinada com imagens das cores, dos templos, das histórias que me contavam sobre a Tailândia. Tenho um amigo que vive lá, e de cada vez que ele contava sobre o seu dia-a-dia, eu sorvia literalmente aquela energia, de coração bem aberto. E no fundo dizia bem alto dentro de mim: um dia eu vou lá! E imaginava-me lá.

Imaginar, visualizar, criar uma imagem no nosso coração como se já lá estivéssemos e estivéssemos a desfrutar das maravilhas do local, é um passo importantíssimo na co-criação. É o chamado sonhar acordado!

De certo que já ouviste aquela frase célebre de Walt Disney: “Se eu consigo sonhar, eu consigo alcançar.”

Falar com pessoas que já lá estiveram, é outro passo importante.

Se não tens ninguém conhecido que já lá esteve, os vídeos existentes na net sobre partilhas de experiências lá vividas, servem perfeitamente. Bebe, sorve embriaga-te dessa energia. Absorve e integra essa energia com todo o teu coração e com todo o teu amor. Mas tem mesmo de ser com todo o amor! Existem pessoas (e provavelmente conheces exemplos) com quem tu partilhas as tuas experiências bem-sucedidas, e do outro lado sentes uma energia de inveja. Pois… a energia contida na inveja não concretiza nada, a não ser o vazio e a falta de algo, que ainda aumenta mais a sensação de faltar algo na vida (tipo “pescada de rabo na boca”).

Absorver com amor e imensa alegria, é o passo seguinte e talvez o mais importante.

Quando ficamos super felizes por algo que um amigo conseguiu realizar, estamos a fundirmo-nos nessa mesma energia. Sem nos darmos conta, ela passa a fazer parte de nós de uma forma muito natural e mágica. É um outro ingrediente essencial e cheio de magia para a co-criação, que nos irá ajudar imenso.

E agradecer é o toque final, como aqueles pozinhos de perlim-pim-pim que acrescentam um glamour especial a qualquer coisa.

É perceber o que é que ao realizar determinado desejo, me faz sentir agradecida. Qual é a mais-valia dessa co-criação. O que é que ela vai acrescentar de valor à minha vida, pela qual eu consigo agradecer com todo o meu ser. E agradecer mesmo, como se já tivesse acontecido.

Nesta viagem à Tailândia, é a gratidão por poder estar com o meu marido num tempo e momento que é só para nós; e que é tão importante para um casal. Para aprofundarmos ainda mais a nossa relação. Para nos celebrarmos e ao amor que nos une. É a gratidão, por ver concretizado um sonho que me acompanha há muito. É o banhar a minha alma com uma energia tão pura e tão humilde, rica e de uma generosidade e amabilidade imensas que o povo Tailandês tem, e sentir todo o meu ser inundar-se de gratidão. É espalhar toda esta energia maravilhosa através da minha aura, para o mundo.

A energia da co-criação é uma energia que necessita de um acompanhamento constante. Ela gosta de se sentir nutrida e amada. É uma postura quase diária, ou mesmo diária, para resultados assegurados. É uma dedicação constante, com uma energia que vem do coração em amor, em alegria, em gratidão.

Vou contar-te um segredo que faz parte da minha forma de co-criar: no meu telemóvel, tenho uma aplicação com a meteorologia do mundo. Entre outras, nela está presente a cidade de Banguecoque (e até há bem pouco tempo também esteve Krabi, outra cidade que visitámos). Desde que vim da Tailândia, que vou lá frequentemente dar uma vista de olhos. Vejo que horas são lá, naquele momento. Vejo o tempo que faz e que está previsto fazer nos próximos dias. Imagino-me lá! E digo para mim: um dia eu volto lá, outra vez. 😉

E desta vez vou à Tailândia, não com um marido “a reboque”, mas com um marido que gostou tanto, que quis lá voltar também. Isto é o que se chama de co-criar com amor e alegria. É o sentirmos prazer naquilo que fazemos e darmos também prazer e alegria a quem está connosco. Partilhar as boas “vibes” da vida, também é um ingrediente importante!

E para terminar, partilho contigo umas afirmações positivas e de vibração co-criativa que ajudam neste processo. Elas fazem parte de um livro fantástico que é muito mais do que criar dinheiro, como está mencionado no título principal – “ Creating Money – attracting abundance”, de Sanaya Roman e Duane Packer.

“Eu amo e honro tudo o que eu crio.”

“Eu liberto com facilidade, confiando que nada deixa a minha vida a não ser que algo melhor esteja a chegar.”

“A minha energia está focada e direccionada para os meus objectivos.”

Se ficaste com curiosidade em ver por onde ando, espreita o meu Instagram: @teresa.aranda.sal – lá partilho com regularidade mais maravilhas da vida.

Agradeço a tua presença e desejo-te um dia muito luminoso.

Com amor, Teresa

 

 

Gratidão pela imagem: Mystic_Art_Design @Pixabay

Imensa gratidão

Hoje acordei com aquela sensação de “Não posso”.

Não posso deixar de escrever um último post este ano, para agradecer todas as coisas boas (e menos boas também) que experienciei no último ano, na última década e partilhá-las contigo e com o mundo. A Gratidão é das acções com vibração mais elevada que existe.

Quando agradecemos algo, descobrimos a semente do amor. E mesmo que seja perante uma situação adversa, a gratidão tem o dom de transmutar a energia e eleva-la a um nível superior de expansão e iluminação.

Bem, mas hoje não me vou alongar nos benefícios da gratidão, porque a minha intenção é mesmo agradecer simplesmente e fechar este ano e esta década com chave de ouro.

E porque estamos aqui no blog,

Agradeço-te primeiro a TI, que me lês com todo o teu coração.

Agradeço a todos aqueles leitores, que assim que um post é publicado, vão lê-lo com amor.

Agradeço aos leitores de Portugal, que são o meu primeiro público, aos leitores do Brasil, que ficam coladinhos e imediatamente a seguir,  e a todos os outros leitores que espalhados por este lindo planeta elevam estas sementes em forma de palavras, a uma escala mundial. Vocês são FA BU LO SOS ! Grata!

Agradeço a todas as pessoas que conheci Continue reading “Imensa gratidão”

Partir a loiça

Continuando em modo Outono, a observar a suave transição de cor na natureza, com a paisagem a mudar lentamente, perdendo cor e volume, leva-me a pensar o quão fácil, ou o quão difícil é para nós humanos, mudarmos. Será fácil libertar? Ou será assim tão complicado despirmo-nos de preConceitos?

Desde os tempos de escola que me diziam que o Homem é um animal de hábitos. OK, tudo bem, desde que sejam hábitos saudáveis. Certo? Felizmente que desde lá, muita coisa mudou e a nossa consciência também. Adquirimos uma maior sensibilidade para o que nos faz bem, e para o que nos é nocivo, num vasto leque de comportamentos Continue reading “Partir a loiça”

Ligar o piloto automático

Na outra semana, enquanto conduzia aconteceu-me algo muito inspirador e gratificante. É algo que me acontece com regularidade, mas uma vez que estava com um limite de tempo um tanto reduzido para fazer um trajecto de ida e volta, o facto dele se ter manifestado fez-me ficar imensamente agradecida.

Confia na voz dentro de ti

Conduzia pela CRIL quando do nada, surge dentro de mim algo a dizer-me “Vai pela A5”. Estava a caminho de Paço de Arcos e a primeira coisa que pensei foi “Porquê?”, normalmente vou por Algés, gosto de ir junto ao mar, de sentir o cheiro da maresia… e ir pela autoestrada, reduzia-me este enorme prazer. Questionei-me sobre vários motivos válidos que me pudessem levar a seguir aquela mensagem, e se o deveria fazer mesmo, ou seguir pelo caminho habitual. Cedi e acabei por seguir pela autoestrada e deixar-me guiar por aquela voz interior. Surpresa das surpresas: quando já estava na autoestrada vejo a seguinte mensagem num painel luminoso: “Marginal cortada – siga pelas vias alternativas”.

Aaah!!! Fiquei tão, mas tão agradecida por ter dado ouvidos aquela voz interior. Se tivesse ido pela marginal, teria andado às voltas para fazer inversão de marcha algures; teria despendido muito mais tempo para acabar por fazer o caminho…, pela autoestrada!

Agradeci. Agradeci muito aos meus guias espirituais e aos anjos.

Um pouco mais de magia

Depois aqui deu-se outra questão…. Como sou um pouco distraída com os caminhos fora do comum, e já não é a primeira vez que ando às voltas por locais que não faço a mínima ideia onde esteja, sem saber bem como chegar ao meu destino, começo a questionar-me se ligo o GPS, ou se peço ajuda aos anjos que me guiaram por ali.

Peço ajuda aos anjos! Pedi ajuda aos anjos e aos guias espirituais. Invoquei também em complemento a luz amarela (clareza na direcção do caminho), invoquei a luz roxa (conexão com a espiritualidade) e a luz madrepérola (para o bem maior). Quando entro no campo da magia boa, anjos e guias espirituais, acabo sempre por juntar mais uns pozinhos de perlim-pim-pim 😉

Como é que eu invoco a luz/cores? Simplesmente chamo a luz para me tocar e envolver, e imagino a luz a entrar pelo topo da minha cabeça e a encher todo o meu corpo. Primeiro uma, depois a outra, até que quando estão todas, imagino-as como se fossem uma fita tricolor a fluírem por todo o meu corpo. E confiei que iria encontrar o caminho de forma rápida, fácil e suave para o bem maior de todos.

E assim cheguei ao meu destino rapidamente, sem me perder, encontrando com facilidade o caminho alternativo para lá chegar.

Escusado será dizer, que sendo um domingo cheio de sol e de muito calor, muitos eram os que andavam desorientados com aquela alteração ao transito… Eu não! Grata!!!

Anjos, Guias Espirituais e Intuição

Esta voz que me avisou para ir pela A5, é tão simplesmente a forma de os anjos, ou os guias espirituais comunicarem connosco. Podes também chamar-lhe de intuição. Acho que vai dar um pouco ao mesmo.

É tão simplesmente aprendermos a ouvir estes “pensamentos” que surgem “do nada”, mas que trazem mensagens tão simples e importantes, que quando realmente as ouvimos e as metemos em prática, notamos que a nossa vida se torna muito mais fácil e proveitosa.

Por vezes, o difícil é calar a mente racional que irá questionar a veracidade da tal mensagem que chegou “do nada”, e irá tentar impedir-te de a seguires por este ou por aquele motivo, sempre com razões muito válidas. Mas quando perceberes, que ao seguires a tua intuição, por mais estranha que ela te possa parecer, irás também verificar que tudo se torna mais fluido e simples.

Já alguma vez ouviste esta voz dentro de ti, a pedir-te para fazeres algo de uma determinada forma? Já alguma vez te apercebeste que essa voz se manifesta em forma de pensamento, vindo do nada? Lembras-te do que aconteceu a seguir?

Quando comecei a aperceber-me desta nova realidade, tive alguma dificuldade em a aceitar. Fui fazendo-o de forma suave, aos poucos e com algum receio dos resultados poderem ser diferentes dos esperados.

Hoje em dia, continuo com alguma dificuldade em a integrar a 100%; sim, os receios são tramados! Acho que os receios são mesmo uma verdadeira atrapalhação ao livre fluxo da vida. Mas olha, é a nossa condição humana; a tua, a minha e a de muitos mais que estamos neste caminho de aprendizagem. Mas também te digo, que tenho a certeza de que quando aprender a confiar na totalidade da minha intuição, na voz dos anjos e dos meus guias espirituais, a vida será como conduzir em piloto automático e então aí, será só desfrutar da viagem e da paisagem!

E tu, qual é o teu maior desafio em seguires a tua intuição?

Todos nós somos seres mágicos e divinos. Todos temos anjos e guias a sussurrarem aos nossos ouvidos. A magia boa faz parte do nosso legado divino. Só temos de aprender a desperta-la em nós e a usá-la para o bem maior de todos.

No final e sempre, lembra-te de agradeceres com todo o teu coração, a ajuda recebida através dos teus anjos, dos teus guias, da tua intuição. Quando agradecemos algo, multiplicamos o fluxo de retorno das coisas boas.

Agradeço a tua presença amorosa e desejo-te um dia lindoooo!

Com amor, Teresa

Gratidão pela imagem: cosmicart @pixabay

Uma caixa de surpresas

A vida é das coisas mais maravilhosas que existe. Desde que nascemos, até ao momento em que o nosso corpo deixa de ter vida, recebemos todos os dias a dádiva de presenciarmos esta maravilha em todo o seu esplendor, desde as mais minúsculas coisas, até às mais grandiosas.

Todos os dias tudo muda. E todos os dias tudo está diferente. Não há um único dia que seja igual ao anterior e não há um único dia em que eu possa ter a certeza do que vai acontecer. Se é assustador? Sim, poderá ser. Se é maravilhoso? Sim, também poderá ser.

Tudo depende da forma como estou na vida; na maneira como trago a minha presença à vida, a cada Continue reading “Uma caixa de surpresas”