Contornar as limitações

Na semana passada celebrei o meu aniversário, e como todos os anos, há coisas que gosto de fazer para celebrar a minha vida, a minha vinda à luz e ao planeta Terra.

Gosto de reservar o dia para mim, para me mimar e estar com quem gosto.

Gosto de ir à praia e tomar um bom banho de mar e de sol.

Gosto de me libertar dos afazeres domésticos, em especial o de cozinhar e mimar-me com comida prepara pelos outros.

Este ano decidi também, que me ia oferecer um tempo para receber uma massagem, pois há já imenso tempo (mais de um ano…) que não recebo uma. Sei que muitos consideram uma massagem como um luxo, mas para mim, uma massagem é como uma terapia onde as tensões são eliminadas e a nossa energia realinhada, o que só por si tem um efeito medicinal. E mesmo que seja um luxo, quem não merece um?

Mas este ano, cada um destes objetivos parecia não ter pernas para andar, ou seja, não via forma de os manifestar.

Primeiro foram as restrições na área metropolitana de Lisboa devido ao vírus, que me impediu de ir jantar fora com a minha família, como costumamos fazer. Rendi-me e aceitei de bom grado fazer o jantar em minha casa. Sinceramente até me admirei por não me passar com esta limitação, pois por mais que tente, organizar um jantar em minha casa para tantos (sim… somos mesmo muitos só contando com os mais diretos) implica ir para a cozinha incluindo toda a envolvência de preparativos em modo pré, e arrumações em modo pós, coisa que eu tento evitar no meu dia de anos… Mas desta vez, foi algo que me deu imenso prazer e recebi muitas ajudas, quer nos preparativos, quer nas arrumações. Imensa gratidão a estes lindos anjos ajudantes!

Depois foi a ida à praia para o tal banho de mar e de sol…. A meteorologia previa céu muito nublado, chuva e baixa de temperatura…. Oh céus…! Estava fora de questão ir à praia com tal previsão.

Já para não falar no desejo (que me passou pela cabeça…) de ir ver o sol nascer…. Qual sol, qual carapuça! Com tantas nuvens, o sol nasceu sim, mas em Lisboa estava bem escondido. Missão abortada!

E a massagem…? Bem… essa ficou mesmo adiada, porque onde costumo ir estava fechado e só abria na semana seguinte, e um outro lugar que me sugeriram também estava sem marcações disponíveis, ou seja não tive qualquer hipótese de receber uma massagem.

Contornar as limitações

Se houve tempos em que esta panorâmica me deixava frustrada e com um misto de tristeza e zanga, senti que desta vez simplesmente deixei fluir e qualquer uma das limitações que foram surgindo, não me abalaram de forma alguma. Antes pelo contrário, fui arranjando alternativas viáveis e que me deram igualmente, ou ainda mais prazer.

Continue reading “Contornar as limitações”

Beleza, Sensualidade e Prazer – dons ou pecados?

Há uns tempos fiz uma meditação sobre o sagrado feminino, que falava sobre a beleza, a sensualidade e o desejo.

A dado momento era me perguntado o que eu sentia, e como eu me sentia em relação à sensualidade, a sentir desejo e à beleza em mim.

Dei por mim ao responder em nome da minha criança interior, que ainda tem feridas a cicatrizar, o quanto ainda sinto algum desconforto em me sentir sensual, de sentir desejo ou de me sentir bela, como algo natural e parte integrante de mim. E tu? O que responderias?

Não nego que me sinto bela, e que me sinto bem com o meu corpo e com a minha beleza, mas ainda há algum desconforto em mim que se eleva, quando se lembra dos episódios de assédio que passei. Por vezes esse assédio ainda me incomoda, sobretudo quando é feito através das redes sociais.

Durante uma parte da minha vida, senti que a sensualidade era algo que estava relacionado só com o acto de seduzir para “atrair o macho”, logo uma arte mais dedicada à sexualidade e aos prazeres carnais.

Já para não falar no desejo…. Esse então, segundo me foi incutido, é coisa do demo 😊

Ai meu Deus…. A sociedade em que fui/fomos criados…..!

Dei por mim a mergulhar neste assunto…, no final de contas, era esse o intuito da meditação.

Comecei a olhar para a vida, através dos olhos do coração e despida dos rótulos da sociedade patriarcal, que algures no tempo distorceu este tema a favor de algum ideal, mas que sobre o qual não vou investir energia nem aqui, nem agora.

Se eu olhar para TUDO o que existe à superfície da Terra, eu consigo ver beleza e perceber que há beleza em tudo, até mesmo na escuridão e no caos. Na escuridão, todos os nossos sentidos ficam apurados. Se conseguirmos ficar descontraídos na escuridão, conseguimos sentir aromas que não tínhamos percebido antes, assim como a nossa audição fica mais desperta e até poderá ser possível conseguirmos distinguir algumas formas.

Ver a beleza do caos, é um pouco mais complicado pois é preciso compreender e acreditar que todo o caos traz vida nova, e novas oportunidades, e nem sempre estamos despertos para isso.

Continue reading “Beleza, Sensualidade e Prazer – dons ou pecados?”

O dia em que fiz as pazes com Deus

Fui educada na religião católica. Batizada, primeira comunhão, crisma…. percorri, por assim dizer o percurso todo. O meu pai, foi educado num convento. Ali estudou até à idade adulta, mas tirando o meu casamento, não me lembro de o ver a frequentar a igreja (o que sempre me espantou, mas no entanto, nunca me contou a razão).

Cresci a pensar que tínhamos de ser muito bons, senão Deus castigava e íamos para o inferno. Na catequese, foi-me ensinado que era necessário haver a prática de confessar regularmente os meus pecados a um padre, para me purificar. Lembro-me de em vésperas de festividades, sempre que havia o tal momento da confissão, ter imensa dificuldade em enumerar os meus pecados. Pensando bem… qual será a criança que tem assim pecados para confessar?…

Ao crescer, comecei a perceber que as pessoas que iam à missa e que tinham um comportamento exemplar na igreja, cá fora nem sempre se passava o mesmo. Lembro-me inclusive de assistir a atitudes de julgamento e desrespeito por um ser humano, geradas pelo próprio padre em plena celebração da missa.

Zanguei-me com o padre. Zanguei-me com a igreja. Estava na adolescência e deixei de ir à missa. Voltei uns anos mais tarde, pelas mãos de amigos que pertenciam ao grupo de jovens da igreja, com a promessa de que o novo padre era fixe. Cheguei a cantar no coro da igreja. Mas o tal bichinho que se revolvia com algumas situações, ainda estava dentro de mim e causava-me comichões.

Casei pela igreja, eduquei os meus 3 filhos mais velhos na religião cristã. Ia à missa e até consegui convencer o meu marido a ir também (coisa que não fazia desde a infância). Mas houve um dia, em que me cansei de ouvir sempre o mesmo nas homilias: que nunca somos bons o suficiente; que Deus castiga; que o inferno e o purgatório são uma coisa horrível para quem não cumpre as regras (da igreja).

Zanguei-me de vez. Deixei de ir à missa. Zanguei-me com Deus por permitir que dentro da sua igreja houvesse pessoas que fazem mal a outras. Zanguei-me com Deus por julgar e punir. Que Deus mau é este? Não quero isto para mim, disse eu na altura.

Dentro de mim sempre houve algo que me dizia, que não podia ser assim tão mau, aquilo que a igreja me transmitiu. Que essa coisa da serpente, da culpada da Eva por ter dado ao Adão a maçã do paraíso, e da sentença do “parirás com dor”, era demasiado violenta e corrosiva.

Continue reading “O dia em que fiz as pazes com Deus”

5 formas de recuperar a energia rapidamente

Já alguma vez estiveste num lugar, ou estiveste com alguém que até gostas bastante, e depois de saíres desse lugar, ou de deixares essa pessoa começas a sentir sem motivo aparente, um cansaço imenso, como se a tua energia tivesse sido drenada?

Dás por ti a pensar que sim, até tem sido uma semana desafiante, com imensas coisas para resolver, que te tens deitado tarde ou que não descansas o suficiente, quiçá aquele café que não bebeste…. enfim, arranjas ou tentas arranjar a justificação que melhor se ajusta ao teu estado de falta de energia súbita.

Até bebes um café, ou outro tipo de energizante para poderes continuar com os teus afazeres, mas o efeito rapidamente passa e ainda te sentes pior do que estavas antes. Isto diz-te alguma coisa… ou sabes do que estou a falar? E saberás o porquê desta quebra de energia repentina?

Neste post partilho contigo o que me aconteceu recentemente sob este tema, e como fiz para me regenerar, usando estas 5 formas de recuperar a energia rapidamente, que explico mais abaixo.

Nem todas as pessoas têm a sensibilidade para se sentirem assim, drenadas de energia “da noite para o dia”. Umas simplesmente sentem-se “esquisitas”, sem atribuir grande importância ao facto, mas as mais sensíveis acabam por se sentir estranhamente cansadas, com um sono imenso e a precisar urgentemente de descansar, mesmo que seja a meio da tarde. Esta sensação geralmente aparece logo após se deixar o tal lugar, ou pessoa.

Continue reading “5 formas de recuperar a energia rapidamente”

Curar e fazer as pazes com o passado

Há muito que oiço dizer que estamos todos interligados, que os nossos pensamentos e energia afetam o mundo à nossa volta, que aquilo que é repetido várias vezes no nosso pensamento, mesmo sem darmos conta, tem a capacidade de se manifestar no mundo físico.

Uns acreditam, outros nem por isso e duvidam, e está tudo bem.

No entanto, este é um conceito que já enraizei há muito dentro de mim. Já tive a possibilidade de perceber na prática que tudo está mesmo (!) conectado, e que as nossas energias se interligam como que numa malha cósmica, e que coincidências, simplesmente não existem.

Comecei em meados de março uma formação com a querida Inês Gaya, que me tem levado às profundezas do meu ser. E quando digo profundezas, é mesmo lá no fundo assim do tempo em que era criança, onde vivências e situações me marcaram de forma profunda. Essas memórias, que supostamente estavam resolvidas e apagadas, afinal estavam era dormentes e conseguiram limitar-me em determinados aspetos da vida. Umas já consegui identificar e fazer a cura, mas outras há que surgiram bem vivas novamente. Neste momento estou num firme compromisso em curar e fazer as pazes com o passado, o meu passado. Sem culpar ninguém, simplesmente observar, curar e transformar.

Curar e fazer as pazes com o passado

Este processo de ir ao passado, e identificar o que nos causou traumas, dores, bloqueios, faz parte do processo de cura de todos nós. É importante ir à raiz do problema para o podermos identificar, libertar e redefinir. É claro que isto não muda o nosso passado, nem tão pouco o apaga, mas permite que a pessoa que somos hoje possa passar a atuar e a viver numa mais alta vibração, sem as amarras e limitações que o passado nos colocou e com toda uma nova postura de perdão, aceitação e integração com amor.

Continue reading “Curar e fazer as pazes com o passado”

Celebrar com presentes para Ti – 3 anos de blog!

Este mês o blog Meio Fada Meio Anjo faz 3 anos!!!

Eu sei que esta frase é assim meio cliché, mas parece mesmo que foi ontem.

Lembro-me de ter começado com “pezinhos de lã”, cheia de entusiasmo, mas a tremer por dentro sentindo algum receio por me expor assim ao mundo, aberta para quem me quisesse ler.

Recordo com imensa nitidez, o momento em que senti o apelo para escrever de uma forma mais presente e consciente, para que as minhas palavras pudessem chegar a mais pessoas.

Foi num post do Facebook, onde escrevi uma partilha mais profunda, e no fim do texto decidi acrescentar uns ashtags relacionados com o texto.

Num deles, sem saber bem porquê escrevi #MeioFadaMeioAnjo.

No meu coração, senti-o como se fosse uma assinatura….

Lembro-me que não tinha qualquer ideia nem desejo de criar um blog. Mas foi o comentário de uma amiga e mestre de Reiki, que me disse “a menina devia escrever mais. Escreve tão bem!”

Como por magia, as peças deste puzzle começaram a juntar-se todas e eu percebi que a imagem que me estava a ser mostrada, era a criação de um blog para inspirar quem o lesse a viver uma vida mais leve e mais presente, através da partilha das minhas práticas e experiência, que fui adquirindo enquanto terapeuta e mestre de Reiki.

E o tal ashtag surgiu de novo no meu coração, agora todo iluminado, “Meio Fada Meio Anjo”; sim, seria o nome deste novo filho que trouxe à luz.

Olho para trás e percebo o quanto evolui, o quanto abri as minhas asas ao escrever textos para o blog. O quanto soltei a minha criatividade e paixão pela vida.

Houve momentos mais tensos, em que não sabia o que partilhar nos textos e parecia que a fonte de inspiração se tinha evaporado; ou que me retrai com receio de me lançar em áreas não muito exploradas, mas que mais uma vez sentia o universo a empurrar-me para elas, mais e mais, como é a partilha das meditações guiadas.

E não consigo deixar de me emocionar ao recordar todos os comentários amorosos, com palavras de incentivo e partilha de sentimentos, que foram surgindo de todos os pontos da Terra.

Imensa gratidão a ti que me lês aqui em Portugal, onde eu vivo, a ti também no Brasil (sempre tão presentes, também!), Estados Unidos, China, Suíça, Espanha, França, Tailândia (! minha querida Tailândia!), Alemanha, Holanda, Reino Unido, India, Nova Zelândia, Austrália, Peru….. ai… tantos mesmo (!), só para citar alguns dos países por onde o meu blog tem voado.

Estou-vos tão agradecida! A todos vós envio um doce abraço cheio de amor. ♥

♥♥♥

E para celebrar ainda com mais alegria (e gratidão!) este terceiro ano de blog, tenho para te oferecer três presentes lindos, que sei que vais amar:

Continue reading “Celebrar com presentes para Ti – 3 anos de blog!”