Benefícios dos mantras e como criares o teu mantra pessoal

Bom dia alegria!

A forma como começamos o nosso dia e a energia que lhe colocamos é tão importante como escolher a roupa que vamos vestir. Se o dia está chuvoso, calçar sandálias não me parece ser o mais adequado, não achas? Imagina que está a chover bastante e tu sais de sandálias para a rua. O mais provável (estando nós agora no outono) é ficares com os pés molhados, frios e com uma sensação de desconforto o dia todo, já para não falar nas eventuais complicações futuras da tua saúde.

Então, começar o dia com a energia desadequada é muito semelhante. Se acordas e ainda na cama começas a pensar que só tens coisas chatas para fazer, ou que não te apetece nada encontrares determinada pessoa e todo um rol de pensamentos negativos, o mais provável é teres um dia mau.

Por mais complicada que a previsão do desenrolar do teu dia possa ser, se começares por lhe dar uma energia amorosa, alegre e confiante, posso garantir-te que o teu dia vai ser lindo!

Neste post sobre os benefícios dos mantras e como criares o teu mantra pessoal, vou partilhar contigo o que é um mantra, quais as suas origens, para que serve e como criares o teu mantra com uma intenção especial.

Continue reading “Benefícios dos mantras e como criares o teu mantra pessoal”

Café ou chá e como substituir um pelo outro

Bom dia alegria!

Antes de mais, quero agradecer a tua paciência em aguardares por mais um post meu. Esta pausa teve como base as minhas férias, e desta vez entreguei-me mesmo ao descanso, à recuperação de energias e ao tempo útil em família. Grata pelo espaço que me concedeste e grata por estares de volta também.

Hoje venho partilhar contigo uma outra mudança, que com sucesso manifestei recentemente na minha vida. As mudanças, grandes ou pequenas, desde que sejam para nosso benefício são sempre bem-vindas. São elas que nos mantêm vivos, produzindo melhorias e maior bem-estar.

Café! Sim aquela bebida deliciosa, super aromática e com uma cor tão cativante. Amo café! Amo o cheiro! Amo o ritual de após uma boa refeição beber um delicioso café.

Então, mas o que tem o café, deves estar a questionar? O café não tem nada, eu é que comecei a dar-me mal com ele. A nossa relação foi-se degradando, se bem que eu o continue a amar. Neste café ou chá e como substituir um pelo outro, partilho contigo este tema de mudança, que assim à primeira vista mais parece uma novela, mas que mostra que a vida nos oferece sempre oportunidades valiosas, quando menos esperamos.

Continue reading “Café ou chá e como substituir um pelo outro”

Quando fores grande o que queres ser?

Bom dia alegrias!

Pelo título, este post pode levar a pensar que é dirigido a crianças, ou a adolescentes. Mas não, este post é mesmo dirigido a ti. Ou melhor, é dirigido à criança eterna que há em ti.

Dentro de cada um de nós sempre haverá a essência da criança que fomos. Nuns poderá estar meio adormecida, noutros talvez de certa forma ignorada, ou na melhor versão para alguns, ela estará bem viva e pulsante, ávida de novas experiências.

No outro dia perguntavam à Clarinha, quando fores grande o que é que queres ser? E esta questão lembrou-me do tempo em que me perguntavam o mesmo a mim. Já não me lembro bem do que respondia na altura, mas sei que as minhas opções iam variando consoante aquilo que me atraia e despertava interesse no momento.

Hoje em dia com tanta oferta de especializações que existe, pode ser um caos escolher uma profissão, um curso, uma área de estudo. E a incerteza do sucesso na obtenção de um trabalho de acordo com o curso terminado, é tão grande que leva a que muitos jovens não saibam com clareza, o que querem ser quando forem grandes.

Já reparaste como tudo muda tão rapidamente? Quando os meus pais eram jovens havia a expressão “casar com o emprego”, ou “um emprego para a vida”, porque a pessoa mantinha-se no mesmo emprego até à reforma. Era uma espécie de estabilidade adquirida. Hoje, muitos terminam um curso e vão trabalhar numa área completamente diferente daquela em que estudaram. E ao longo do percurso laboral, a mudança de área continua.

Estas mudanças constantes não sinto que venham só de incertezas (económicas, financeiras, pessoais…), mas sim da procura pelo bem-estar e satisfação pessoal. Uns estarão focados na questão material e nos ganhos financeiros obtidos, outros estarão focados na procura de uma maior realização pessoal. A evolução mundial tem sido tão acelerada que permite e fomenta estas mudanças constantes.

Mas o que mais me deixa maravilhada no meio destas mudanças todas, é saber que existem empresas que continuam a contratar pessoas mais “crescidas”. É que se há uns tempos alguém com 40 e tal anos ou mais, estava fora do mercado de trabalho caso ficasse sem emprego, hoje em dia isso não acontece. E porquê? Porque dentro dessas pessoas “mais crescidas” a tal criança interior continua atrevida, viva e cheia de vontade de conhecer novas perspectivas. São pessoas com uma capacidade imensa de se reinventarem e recomeçarem de novo, com a mesma garra de uma primeira vez.

Quando fores grande o que queres ser?

Esta história do confinamento e do vírus veio dar vida a este nosso lado criativo e renovador. Quantos de nós ficaram sem trabalho durante esta fase e tiveram de “fazer pela vida”… e reinventaram-se pegando naqueles projectos antigos que estavam enfiados numa gaveta esquecida. E, entretanto, descobriram em si novos talentos, um ânimo pela vida e prazer naquilo que fazem, levando-os a sentirem-se completos e realizados.

E não é isto o mais importante? Sentir ânimo pela vida, sentir-se completo e realizado naquilo que se faz?

Aquilo que em criança queríamos ser quando fossemos grandes, pode não ter nada a ver com a realidade actual, mas no fundo o que desejávamos era que ao termos aquela “profissão” nos sentíssemos bem, realizados e com imenso prazer a fazê-la.

Esta capacidade de sonhar e imaginar, não está só à disposição das crianças. Ela deverá estar presente em cada um de nós, seja qual for a idade que possamos ter. Não há limite de idade para sonhar. Não há limite de idade para alcançar aquilo que no dá prazer. Não há limite de idade para nos sentirmos completos e realizados.

E mesmo que por vezes um caos possa surgir na nossa vida, e nos force a mudar sem mais nem menos de trabalho ou de profissão, é porque de alguma forma andávamos a ignorar as mensagens que o universo nos foi enviando, tentando chamar a nossa atenção para a necessidade de mudança de rumo.

Mudar para melhor não tem idade

O universo prepara sempre o melhor para nos oferecer e para o nosso bem. Nós estamos aqui na Terra, para nos descobrirmos e experienciarmos o melhor das nossas qualidades pessoais. Quando não damos ouvidos às mensagens que nos são enviadas, acontece-nos algo assim do género ou vai ou racha 😊 e muitas vezes, racha mesmo.

Ao longo da minha vida, o universo já me fez passar por algumas experiências do género. Houve caos, houve desanimo, houve não saber qual era o meu caminho. Hoje já estou mais desperta às tais mensagens; o que não quer dizer que não me questione. Por vezes questiono-me tanto que levo um empurrão dos meus amigos anjos. Mas olho para trás e vejo que do caos surgiram novas oportunidades e que tudo estava correcto e aconteceu no tempo certo.

É tão bom conseguirmos reinventarmo-nos. É bom descobrir novas qualidades e dons em nós. Dá-nos vida e ânimo, faz-nos sentir realizados e isso não tem preço. Esta é a verdadeira essência da vida: sentir prazer naquilo que fazemos.

Quando nos permitimos usufruir deste prazer conscientemente e com todo o nosso ser, tudo o resto flui à nossa volta.

Ao leres este texto, provavelmente já te identificaste com algum momento descrito. Qual foi a maior reviravolta na tua vida? Qual foi o teu maior desafio?

Se ainda estás em processo de mudança e adaptação, confia. Foca-te naquilo que o teu coração quer manifestar. E vais ver que mais cedo, ou mais tarde irás ter clareza sobre qual a direcção que deves seguir. E se entretanto, tiveres de mudar o rumo também está tudo certo. A vida é feita de conquistas e aprendizagens. Não há ninguém com sucesso na vida, que não tenha experienciado o erro, o caos ou o falhanço.

Há muitos anos que tenho um mantra que vou repetindo sempre que vejo algo, ou alguém bem-sucedido na vida:

Quando eu for grande, também vou ser assim.

Seja qual for a nossa idade, o “ser grande” não se limita a uma determinada fase da vida, mas sim à forma como nos sentimos ao vivê-la. Ser grande é termos em nós toda a luz, toda a vitalidade que nos faz amar a vida ao máximo. É sermos e sentirmo-nos completos e realizados com o que fazemos.

E tu, quando fores grande o que queres ser? Ou será que já és….. 😊

Agradeço a tua presença aqui no blog e desejo-te uma semana maravilhosa e muito iluminada.

Com amor,

Quando fores grande o que queres ser?_2

De geração em geração e a possibilidade de escolher diferente

“Se o trauma pode passar de geração em geração, também a cura pode.”

Bom dia Alegrias!

Hoje começo com esta frase que li há uns tempos no Instagram da Rebekah Borucki. Este era um tema que eu já sentia começar a fluir dentro de mim, com vontade de sair para a luz e o post da @bexlife fez a faísca necessária para que ele se manifestasse hoje.

Quantas vezes eu já ouvi dizer “o meu pai é assim, eu não tenho como ser diferente…”, “ai isto é coisa que corre na família…”, ou “quem sai aos seus não degenera…” e por aí adiante.

É te familiar? E acredito que as associações nem sempre são pelos melhores motivos, nem pelas facetas mais iluminadas da família.

É que quando as coisas correm bem e a vida flui feliz e alegre, está tudo bem e os assuntos da transmissão de genes dentro da linhagem são ignorados. Quer os bons, quer os menos bons, todos eles (os genes) devem observados com os olhos do coração. A escolha vem a seguir: amar os bons genes, ou libertar aqueles que queremos erradicar da nossa vida.

Hoje vamos abordar esta mesma questão da nossa linhagem, da transmissão de genes intra-familiar e o que fazer para a mudar, quando a cura é necessária. Sim, mudar e curar é possível! Cientificamente já ficou provado que o ADN pode ser modificado, logo não há mais necessidade de continuarmos a alimentar a cadeia de traumas, bloqueios e dores emocionais entre gerações.

De geração em geração e a possibilidade de escolher diferente

Doenças, vícios, traumas, bloqueios são pequenos traços presentes no ADN que passam de geração em geração, com toda a facilidade. São fragilidades que existem na nossa linhagem familiar e que herdamos sem termos noção da possibilidade de estar nas nossas mãos, a capacidade de manifestar a mudança e começar a parar já hoje, nesta mesma vida esse “fado” e curá-las.

Ai isso é muito complicado, podes até dizer. Sim, é complicado, exige trabalho e atenção constante, mas é possível. Tudo o que envolve mudança de transmissão de genes na família, requer a nossa atenção plena todos os dias, até que fique integrado na totalidade pelo nosso ser. Mudar um comportamento, uma doença ou um vicio que é carregado de geração em geração, não se trava de um dia para o outro. Pode levar meses, anos, ou até mesmo uma geração. Vai exigir energia. Vão haver momentos de fraqueza. Mas é nesses mesmos momentos em que queremos desistir, que a possibilidade de mudança pode manifestar-se.

Mas sabes? Com amor e convicção tudo se consegue curar.

E é mesmo por aqui que vamos começar: pelo Amor.

De geração em geração até Hoje

Quando queremos mudar um comportamento que já não nos suporta, a primeira coisa a fazer é declararmos o nosso amor por nós mesm@s. É enchermos os nossos pensamentos de ideias positivas, de frases que nos acalentem para podermos ganhar a energia e superar o obstáculo, deixando-o para trás, de vez.

É sabido que em terreno infértil nada cresce. Portanto, para fazermos crescer bons hábitos, boas energias e boa saúde em nós, temos de dar muito fertilizante, muitos nutrientes de amor ao nosso corpo. Lê ou relembra este post com mantras que estimulam e alimentam o amor-próprio e inspira-te.

A família é a nossa raiz principal. Todos os elementos que dela constam são ramificações do meu e do teu Eu. São elas que nos trouxeram até aqui e fazem de nós aquilo que somos hoje. A cada um deles devemos dirigir os mais puros sentimentos de honra e amor. Mesmo aqueles que por ventura possam ter sido um verdadeiro tormento nas nossas vidas, ou na vida de um nosso familiar. Amar é perdoar e perdoar oferece uma paz imensurável.

Para começar, sugiro-te que faças um pequeno exercício:

Pega numa folha de papel e enumera 8 aspectos que consideras defeitos no teu pai e na tua mãe (em separado), mesmo que já tenham falecido.

Depois, enumera 8 aspectos que amas no teu pai e na tua mãe (também em separado – 8 para cada um).

Agora faz o mesmo para ti:

8 aspectos que consideras defeitos;

8 aspectos que amas em ti.

No final, vê as semelhanças. Sublinha-as.

Vê aquilo que queres libertar em ti e que estão na tua linhagem.

Lê também as semelhanças que amas, que transportas contigo e queres preservar e/ou desenvolver.

E diz com todo o teu coração, com toda a tua convicção:

Eu sou assim. Eu amo-me. Eu sou a mudança positiva consciente aqui e agora.

Guarda esta folha num lugar onde a possas aceder com facilidade.

Fazer este exercício regularmente dá-nos a percepção daquilo que queremos desenvolver (porque amamos e é benéfico), ou mudar e libertar (porque não queremos mais repetir). Comportamentos negativos e padrões de atitudes repetitivos, em conjunto com bloqueios de emoções levam a que a doença encontre espaço para se manifestar na nossa vida. E não é isto que queremos, pois não?

Muitas vezes damos por nós a repetir atitudes erróneas que absorvemos ao longo da nossa educação, por parte de pais e avós, tios e outros familiares. Não é que eles tenham feito por mal; simplesmente fizeram o melhor que sabiam por nós e para nós.

Mas a nossa consciência global mudou e hoje temos o conhecimento e a possibilidade de parar o curso dessa transmissão. Chegou o momento de criares a tua realidade e mudares o rumo daquilo que queres transmitir às próximas gerações.

Sempre que deres por ti a repetir algo que faz parte da lista “defeitos”, diz mentalmente: eu vou ser melhor da próxima vez. E faz um esforço verdadeiro para que isso aconteça. Com o tempo vais perceber que estarás mais atent@ e irás perceber quando estiveres prestes a repetir um padrão que queres libertar, dando-te o espaço para parares e actuares diferente e melhor.

A lista é mesmo muito importante, pois ajuda-te a manteres presente o que não queres repetir.

Todas as noites ao deitar cria um momento de gratidão, onde incluis agradecer à tua linhagem familiar por todas as bênçãos, por todas as coisas boas que tens hoje e que és porque herdaste deles. Imagina-os envolvidos numa esfera de luz rosa e envia-lhes muito amor, mesmo aos que já não estão presentes fisicamente nesta vida.

E porque nem sempre a coragem e a força interior estão em alta, ofereço-te uma sugestão de mantra para aqueles momentos em que as forças baixam:

“Sim, isto é uma m•••a que vem de família, mas pára aqui porque EU sou a mudança.”

Pois é nestes precisos momentos de fraqueza que a faísca do milagre se acende e permite que a mudança se manifeste, positivamente.

A mudança está em ti. TU tens a possibilidade de mudar a tua vida para melhor, através da gratidão e do amor pela tua linhagem familiar, mas acima de tudo pelo amor por ti própri@, cuidando de ti e da tua vida com honra, respeito e muito amor.

Escolhe bem. Escolhe com sabedoria. Escolhe amor. Escolhe vida. A Tua vida.

Agradeço a tua presença e desejo que manifestes aquela verdadeira mudança, que tanto anseias.

Com amor,

De geração em geração e a possibilidade de escolher diferente_2

Caminhar rumo ao meu propósito e viver todos os momentos presentes

Bom dia com Alegria!

Esta semana ouvi algo que me fez lembrar de uma marotice que fiz, quando era criança. Num Natal, depois de saber que seriam os meus pais a colocar os presentes na Árvore de Natal, e sabendo eu onde eles estavam “escondidos”, a minha criança interior não resistiu à intensa curiosidade e foi muito sorrateiramente abri-los para saber o que continham, muito antes do momento devido, a noite de Natal.

Foi dos Natais mais tristes que tive. Aquela magia vibrante de viver a expectativa e de tentar adivinhar o que os presentes continham, depois da ceia com a família e acima de tudo a alegria de os desembrulhar, partilhar essa felicidade com ela, simplesmente não existiu.

E porquê? Porque o meu comportamento tonto não conseguiu resistir à tentação de saber onde estavam os presentes, sem que os tivesse chocalhado antes e os ter aberto (supostamente muito disfarçadamente – a minha mãe diz que não…) sem que ninguém visse.

Logo, não foi surpresa nenhuma ter ouvido que um estudo revelou, que há uma grande percentagem de pessoas que quando começa a ler um livro, salta para as últimas páginas para saber qual o desfecho da história antes de ter lido todos os seus capítulos.

Caminhar rumo ao meu propósito e viver todos os momentos presentes

Estes são só dois exemplos de muitas situações semelhantes, que acontecem ao longo da nossa vida. Quantos de nós queimam etapas, só para chegar rapidamente ao resultado final?

Continue reading “Caminhar rumo ao meu propósito e viver todos os momentos presentes”

Mas afinal, o que é voltar à normalidade?

Bom dia com Alegria!

Estamos em pleno verão, o tempo está óptimo e muitos estão de férias, ou quase a ir. Nós cá em casa, decidimos mais uma vez ir de férias mais tarde. Gostamos de fugir das “confusões”, sempre que podemos.

Mas este ano, o factor férias foi um pouco condicionado com todas as adaptações resultantes dos efeitos do vírus nas nossas vidas. Há quem nem sequer vá de férias. Há quem tenha visto a sua vida virada completamente do avesso, sem saber bem o que fazer, ou como gerir a situação em que se encontra. Mas também há, quem se tenha (re)descoberto e aproveitado a situação para mudar de vida, ou de trabalho.

Há ainda o rótulo, ou a expressão “voltar à normalidade”, que muito tenho ouvido por aí, associada à grande vontade de voltar à normalidade.

Mas afinal, o que é voltar à normalidade?

E eu pergunto-me, o que é a normalidade? Será que isso alguma vez existiu?… Há dias em que me questiono, e requestiono (não sei se esta palavra existe, mas avancemos) sobre o que estamos a viver. E questiono-me se as pessoas saberão realmente, o que estamos a viver neste momento.

Fazer um flashback, ajuda-nos a entendermos melhor o que estamos a processar e perceber qual é a próxima direcção a seguir.

Continue reading “Mas afinal, o que é voltar à normalidade?”