Libertar a vergonha

Esta semana, ao receber a carta do oráculo com a mensagem do universo “Exposto e revelado”, uma carta que fala sobre os momentos de vergonha, confesso que estive ali a processar um pouco.

Tive alguma dificuldade em escrever sobre ela, nas “partilhas com amor” que estou a oferecer semanalmente, nos stories das minhas redes sociais.

Apesar de todos os oráculos terem um livrinho que inclui um texto a explicar as mensagens de cada carta, foi um processo algo demorado, e confesso que me passou pela ideia, tirar uma outra carta para a substituir (!..).

Por vezes, quando temos algo desafiante pela frente, há uma parte em nós que nos diz que é melhor esquecer, ir por outro caminho, ignorar para não enfrentarmos aquele desafio.

É-te familiar este sentimento?

Pois bem, acontece a todos! Mas também já aprendi, que quanto mais nos desviamos, ou evitamos os desafios para fugir deles, mais o universo nos atira com eles para cima. E com o universo não há volta a dar: se é para aprender, é até que a lição esteja aprendida! O que teria a “vergonha” para me ensinar naquele momento?…

E assim surgiu o apelo interior para escrever um post sobre libertar a vergonha, para que nada te limite, nem te prenda.

Libertar a vergonha

Pegando aqui na questão da vergonha… Todos nós já passámos por momentos em que sentimos vergonha, ou que nos fizeram passar por vergonhas, expondo as nossas fragilidades. E maioritariamente, esses momentos deixam marcas. Umas são superadas, outras nem por isso. E quando isso acontece, bloqueiam-nos a vida fazendo com que deixemos de nos atrever a fazer algo diferente do que é considerado habitual, correto ou seguro.

Eu cresci numa geração onde fui educada a de ter cuidado com o que dizia, não fosse dizer disparates; não podia chorar para não dar parte fraca, tinha de me comportar e estar sempre impecável, não fosse chocar alguma opinião alheia, ser a melhor aluna para ter um emprego de destaque (e um bom ordenado!) e, para aumentar o desafio, nasci mulher, logo muito cuidado e atenção com o que vestia, dizia e a quem, com o que fazia e com quem, não fosse ficar falada (…!).

Durante a adolescência, a sociedade fez-me sentir que eu era diferente e que não me enquadrava bem nos padrões da “normalidade”, quer na fisionomia (muito alta e muito magra), quer na maneira de sentir e pensar. E fui calando a minha voz, apagando a minha luz interior, por vergonha de me expor.

E assim se vão criando paredes internas de defesa e autojulgamento. Bloqueios e mais bloqueios que vamos acrescentando ao nosso ser ao longo da vida. Deixamos de ser autênticos, para passarmos a ser um produto dos moldes da sociedade, usando máscaras para nos sentirmos enquadrados, aceites.

A vergonha enquanto ferramenta de libertação

A vergonha é realmente tramada. Mas mais tramado é, deixarmo-nos moldar por padrões supostamente adequados, com medo de ferir suscetibilidades. Quando permitimos que nos apontem o dedo, muitas vezes somos nós próprios depois, a apontar o dedo na nossa direção.

Dizemos internamente que não somos capazes…, imaginamos o que irão pensar de nós…, e se eu falhar…., como vou enfrentar as pessoas depois de ter errado… Um sem fim de autojulgamentos.

É uma total entrega de poder pessoal ao alheio. E uma imensa perda de energia vital.

Todos nós podemos experimentar e falhar. Todos nós erramos várias vezes ao longo da vida. Mas todos nós, continuamos a ter o direito de experimentar, de sentir e mudar, ajustar, melhorar o ser que somos. Errar faz parte do processo de aprendizagem e não há ninguém que nasça perfeito, ou a saber fazer tudo corretamente e à primeira. Os grandes génios também falharam, até que o seu valor e as suas ideias fossem compreendidas e aceites.

Walt Disney é um desses génios…. Sabias que viu os seus primeiros filmes serem rejeitados, uns atrás dos outros? Olha se ele tivesse desistido, pela vergonha de não ver o seu trabalho e empenho aceites? Não teríamos acesso a toda a sua magia e obras-primas cinematográficas.

Eu já falhei tantas vezes… e sim, depois vem aquele sentimento de que eu não sou capaz, ou que isto não é para mim. Há vezes em que levo mais tempo a levantar a cabeça e a recomeçar de novo.

Mas sabes? Tudo faz parte do caminho. Tudo é aprendizagem. Tudo é aprender a reconhecer o nosso valor próprio, as nossas qualidades e capacidades, a descobrir a nossa resiliência.

Cada vez que faço algo novo e me exponho socialmente e ao mundo, sobretudo nas redes sociais, há sempre aquele friozinho na barriga, aquela pequenina sombra da vergonha que ainda cá mora, mas que já não me impede de ser eu própria. E vou em frente. Avanço com confiança. E se por acaso falhar…. corrijo assim que possível (já aconteceu, tantas vezes…!).

Pelo menos não me permito ficar na sombra e nas dúvidas dos “e se…..”, a pensar em como poderia ter sido, ou acontecido, caso não me tivesse atrevido a fazê-lo. Faço acontecer, ponto.

Porque sempre que fazemos aquilo que sentimos que devemos fazer, desde o nosso coração, por amor a nós próprios, aos nossos valores e sobretudo fazermos aquilo em que acreditamos, não há como dar errado.

Pode não sair perfeito à primeira, à segunda ou à terceira. Não interessa!

O que importa é continuar a tentar, a experimentar até que se chegue ao ponto de estarmos completamente à vontade naquilo que fazemos e a expressar os nossos sentimentos e o nosso verdadeiro Eu, com naturalidade.

E quando isso acontece, todo nosso corpo vibra de felicidade. E então sabemos, que fomos feitos para isto.

Como é que se chega aqui?

Libertando a vergonha, os julgamentos (principalmente os internos) e o medo de falhar.

Dando um passo de cada vez. Mesmo que seja pequeno, o importante é dar o primeiro, tal e qual como uma criança que está a aprender a andar.

Aprender com os erros. A autocrítica com amor é uma mais valia. Saber e perceber onde e porquê se errou, mas continuar a alimentar a chama de que somos capazes de fazer melhor na próxima vez.

Sair da zona de conforto. Temos tendência a não valorizar o que é fácil, pois necessitamos de estímulos e novos desafios. É então importante, de vez em quando fazer algo que não estamos habituados a fazer. Sair da rotina. Experimentar coisas novas, para continuarmos a evoluir e a desenvolver capacidades.

Sempre que experimentamos algo novo, descobrimos qualidades que desconhecíamos ter.

Celebrar cada sucesso, mesmo os mais pequenos. A nossa criança interior gosta de experimentar e sentir-se realizada. Celebrar cada pequena vitória eleva a nossa energia e vibração.

E agradecer. Agradecer todos os dias os momentos bons, os menos bons, as vitórias e os fracassos, o que temos e o que ainda não temos, mas que acreditamos que vamos ter.

Agradecer é talvez das formas mais bonitas de abrir o portal da abundância. Não só agradecer o que é bom e agradável, mas agradecer também quando falhamos, ou corre mal.

A gratidão é o sentimento mais profundo capaz de transmutar energias densas e baixas.

Sempre que agradecemos por algo que correu mal, estamos a dizer ao universo que ok, estou aqui, errei, o que fiz não correu bem, foi errado, magoei-me ou magoei alguém, mas diz-me como posso melhorar, o que posso aprender com esta lição, o que tenho de mudar em mim.

E sempre, mas sempre que nos colocamos nesta posição de simplicidade e redenção, estendendo as nossas preces de auxílio a algo superior a nós, as respostas vêm sempre claras e o caminho é nos mostrado.

Faz da vergonha a tua aliada. Entende a vergonha como uma porta de aprendizagem, crescimento, liberdade e cura para criares a tua própria melhor versão.

E lembra-te, sempre que alguém te apontar o dedo com uma critica, é porque do outro lado existe algo semelhante que tem de ser resolvido internamente.

As críticas são para serem construtivas e ajudarem na evolução pessoal de cada um de nós. Quando são destrutivas, só revelam fragilidade da parte de quem as verbaliza.

E como não conseguimos mudar o mundo do dia para a noite, é claro que irá haver sempre alguém que aponte o dedo quando fizeres algo novo e diferente do habitual.

Lembras-te da teoria de que a Terra era plana?…. Pois bem! É isso mesmo.

Atreve-te.

Faz o que o teu coração sente.

Faz o que te faz feliz.

Fala a tua verdade.

Faz a diferença.

Tu vieste ao mundo para deixares a Tua marca. Brilha!

Se te sentiste inspirad@, mas não sabes por onde começar, estou disponível para te guiar a seres a tua melhor versão, com leveza e acima de tudo com boa disposição e alegria.

Marca aqui a tua sessão online comigo e começa a fazer brilhar a tua luz única no mundo.

Gratidão pela tua presença.

Com amor,

Libertar a vergonha_2

As tuas palavras são bem-vindas. Deixa um comentário.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s