O meu templo sagrado

Esta semana deparei-me com um post cuja imagem era caricata, mas muito pertinente.

Na imagem estava um doente numa maca a ser transportado. O maqueiro, devidamente protegido com toda aquela parafernália de proteção anti-Covid perguntava: “Tem ideia de como ficou doente?”, ao que o doente respondeu: “Vendo noticias.”

Dá que pensar, não é?

É certo que passamos por momentos únicos e extremamente desafiantes. Dificilmente imaginaríamos tal cenário fora de um écran de televisão, ou cinema. Mas agora que estamos a vivê-lo, não há como fugir.

Estar confinado em casa a trabalhar, estudar ou simplesmente estar seja porque motivo for, não facilita. Há uma tendência para ocupar o tempo de forma rápida e fácil, que recai maioritariamente na televisão. É o chamado consumo fácil, à semelhança do pronto-a-comer.

Sentar em frente da televisão a “ver as notícias”, é uma das opções mais escolhidas. Pois quem é que não quer ficar a par da evolução da situação, na esperança de ouvir uma notícia apaziguadora do sofrimento interior que a sociedade vive?

Ver, ou não ver notícias?….

Mas os media continuam iguais a si mesmos. Continuam a dar destaque às notícias mais sensacionalistas. Aquelas que causam furor nas hormonas da sociedade. Quanto mais empolgantes melhor. Infelizmente, são essas que aumentam as visualizações das mesmas…. (ai… desabafos…)

Sou a favor de se estar a par das notícias. Perceber o que se passa na nossa cidade, país e no mundo, ajuda-nos a estar presentes na vida.

Mas sou ainda mais a favor de ouvir/ler as notícias de forma consciente. Já há muitos anos que deixei de ver noticiários televisivos. Quando muito vejo uma reportagem, se o tema abordado fizer sentido para mim. De resto, ouço as notícias na rádio, em modo condensado (!) e breve, e se desejar saber algo mais profundamente, procuro na web, pois sei que os meus anjos me guiarão para a informação que necessito, ou que estou aberta a receber.

Tenho recebido vários pedidos de ajuda para ultrapassar este caos em que vivemos, e que é transmitido pelas notícias. São medos, ansiedades, situações de pré-pânico na sequência do que é transmitido pelos canais de informação. Acredito que a sociedade em tempos “ditou” que assistir a noticiários, ler jornais e estar informado do que se passa no mundo através das notícias divulgadas pelos meios de comunicação, era sinónimo de instrução, de evolução. Assim a modos de uma forma de estatuto.

Hoje, já não é mais assim. Hoje vivemos numa sociedade onde as nossas emoções e a forma como as gerimos, ganham cada vez mais uma maior importância.

Estamos a passar de uma era onde o Fazer e Ter ou Possuir (bens materiais) era sinónimo de poder. Todas estas mudanças que estamos a viver, fazem parte da transição para uma nova era, que tem como base o Sentir, o Partilhar, redescobrir as nossas verdadeiras qualidades e partilha-las com o mundo. É a passagem de um mundo materialista, para um mundo mais consciente da globalidade, do impacto que cada um dos nossos atos tem no mundo, de olharmos para a Terra como um todo e não como partes isoladas, ou independentes. Este é o momento para reaprendermos a viver em comunidade, em interajuda, de percebermos que estamos todos conectados, independentemente das distâncias físicas.

Aquilo que eu penso agora, que penso novamente mais daqui a pouco e que volto a repetir “on and on”, tem impacto na vida que crio dentro de mim e que se manifesta ao meu redor. Todos os meus pensamentos, vão influenciar as minhas ações e, por conseguinte, vão influenciar a minha vida, a sociedade, que por seu lado terá repercussões no resto do mundo. É como atirar um pequeno seixo à água tranquila de um lago. As ondas espalham-se mais e mais. Assim como o mais ingénuo dos meus gestos.

Cuidar do meu templo sagrado

Com o confinamento, somos “convidados” a ficar em casa e a olhar para nós próprios com outros olhos. Ficar em casa dá-nos esta oportunidade de ouro.

E se em vez de maldizermos, de nos revoltarmos com a atual situação, fizermos deste momento que nos é dado novamente, “o meu momento”?

O momento de perceber o que quero da vida.

Como quero que a minha vida seja.

Que tipo de pessoas quero atrair para mim.  

Que cuidados tenho com o meu corpo.

Que tipo de alimentação pratico.

O que faço para me manter emocionalmente saudável.

O que posso eu fazer para contribuir para um mundo melhor.

Gosto de olhar para o meu corpo como se fosse um templo. O meu templo sagrado.

Convido-te a fazeres o mesmo.

O nosso corpo é o único que temos nesta vida. A forma como cuidamos dele, é o reflexo da nossa vitalidade. Então, porque não olhar para o nosso corpo, como um templo sagrado?

Imagina-te como se fosses um tempo. Um edifício majestoso e belo, concebido de forma especial e única.

Como vais cuidar dele diariamente?

A sua limpeza…. A manutenção dos vários espaços…. O arejamento (sim! É importante deixar o ar fresco entrar, pois limpa e renova energias)….

Que tipo de adornos vais colocar nele…..

Quem vais convidar a entrar no teu templo?

Tens convidados especiais…, ou o teu templo está disponível para qualquer pessoa entrar?

É um templo escondido? Ou é um templo que partilha as belezas que ele contem?

Que tipo de energias entram no teu templo?

Deixas que qualquer energia entre…. Ou és seletiv@?

E o que fazes com elas?

O que é que o teu templo oferece ao mundo?

Estes tópicos sob a metáfora de olhares para ti como um templo sagrado, são para te ajudar a perceber e a tomares consciência, de que tudo aquilo que permitimos entrar na nossa vida, seja através do tipo de alimentação que praticamos, de conhecimentos e experiências que adquirimos, pessoas com quem nos cruzamos e vivemos, ações, pensamentos, tudo aquilo que fazemos e a forma como o fazemos estão a impactar a nossa vida.

Então, vamos aproveitar este tempo de introspeção que o universo nos está a conceder através desta existência do vírus, para elevarmos a consciência sobre nós mesmos e de que forma podemos contribuir para melhorarmos o nosso bem-estar e a forma de estarmos na vida, em sociedade e no mundo.

Quando estamos em paz connosco, estamos bem com a vida e contribuímos para um mundo melhor.

Escolhe com sabedoria aquilo que entra no teu templo.

Partilho contigo este mantra, que surgiu no meu coração durante a prática de Reiki:

O meu templo sagrado_1

E lembra-te sempre, Tu és unic@ e especial.

A Tua presença aqui na Terra é importante.

Cuida de ti com todo o respeito que um lugar sagrado merece, porque Tu és uma semente do divino.

Sugestões para aumentares o teu bem-estar

Durante este novo confinamento, disponibilizo on-line várias ofertas de bem-estar e inspiração ao longo da semana:

Segunda-feira – Mensagens do universo para te guiarem e inspirarem no início da semana;

Quarta-feira – Envio de 30 minutos de Reiki à distância;

Sábado – Meditação guiada, via Zoom (40 minutos)

♥ Qualquer das ações acima referidas, são totalmente gratuitas ♥

São uma oferta do meu coração para o teu coração, para que junt@s nos elevemos e consigamos ultrapassar esta transição com mais leveza e bem-estar.

Segue-me nas redes sociais Facebook ou Instagram e descobre como participares, lendo este post e estando atent@ às minhas stories.

Agradeço a tua presença e desejo-te uma semana muito luminosa.

Com amor,

O meu templo sagrado_2

As tuas palavras são bem-vindas. Deixa um comentário.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s