Visto de cima

No outro dia estava a ver uma publicação que uma amiga (e irmã de alma) partilhou no Facebook, com uma imagem captada lá de cima desde um avião. Era um pequeno arco-íris redondo, lindo!

Essa imagem levou-me a pensar nas coisas maravilhosas que se vêem abordo de um avião, em pleno voo. Tudo ganha uma outra perspectiva e dimensão, e muitas vezes damos por nós a tomar consciência da beleza que existe ao nosso redor, de uma forma divina, a qual por vezes nos passa despercebida.

E assim nasce esta publicação!

Sofrer e crescer

Então vamos lá. De certo que já passaste por situações muito complicadas e traumatizantes. Se nunca te aconteceu, tenho de dizer-te que és uma pessoa abençoada. Mas por outro lado, também posso partilhar contigo, que é através do sofrimento que todos nós evoluímos.

Esse mesmo crescimento através do sofrimento, ou trauma, dá-se não no momento em que ele acontece, nem tão pouco se continuarmos ligados à dor dessa mesma situação. O salto evolutivo dá-se quando conseguimos compreender o porquê, aceitando a situação como parte do nosso crescimento pessoal, e acima de tudo quando conseguimos expressar perdão e amor pelo que aconteceu.

Nem sempre é fácil. Por vezes é mesmo muito duro perdoar alguém que nos fez mal, ou nos prejudicou seriamente. Mas uma coisa posso assegurar: quando conseguimos expressar perdão (mesmo que seja só no nosso interior, no nosso coração), libertamos qualquer tipo de “corda” que nos prenda à situação passada, seja ela qual for, e conseguimos avançar em frente com confiança e a vida como que por magia, abre-nos novas portas.

(E já agora, sabias que quantas mais “cordas” formos deixando presas a nós, mesmo que sejam simples “cordéis”, mais complicado se torna caminhar?)

Visto de cima, é o título deste post, e é mesmo aí que eu quero convidar-te a vires comigo.

Observar lá de cima

Convido-te agora a escolheres uma situação que te seja dolorosa. Algo que te tenha deixado marcas e que estejas preparad@ para a libertares, e ganhares nova vida.

Ao longo desta caminhada que iremos fazer junt@s, procura encontrar as respostas às perguntas que te vou colocar, sentido-as de uma forma mais neutra possível. Normalmente, a primeira resposta que surge no nosso pensamento, é a correcta. Tudo o que vem a seguir, é maioritariamente produto da nossa mente racional.

Neste convite há uma condição! Faz o possível para na segunda e terceira parte desta viagem, olhares para a situação de uma forma desapegada e com os olhos do coração.

Se quiseres, podes escrever tudo o que vais sentindo num caderno. Irá ajudar-te a reflectires melhor e a obteres mais clareza.

Preparad@? Vamos lá!

Senta-te numa posição confortável. Respira fundo e relembra o tal momento. Vai lá ao fundo no passado e permite-te senti-lo totalmente como se fosse hoje.

1ª parte

Relembra quem esteve contigo, onde foi e o que aconteceu.

Como te sentiste?

Como reagiste naquele momento?

O que fizeste em tua defesa? Foi a opção mais acertada?

O que gostarias de ter feito ou dito de forma diferente?

Porque achas que isto aconteceu?

(…Respira fundo…)

2ª parte

Respira fundo novamente. Agora é o momento de levantarmos voo. Vais agora sobrevoar a imagem do momento que tens na tua mente e vais vê-la através dos olhos de quem te ofendeu ou prejudicou. Coragem!

Relembro a necessidade de veres a situação de uma forma completamente destacada dos teus sentimentos. (Sim, é possível!)

Como é que a outra pessoa se sente?

O que a levou a fazer-te aquilo?

O que seria que el@ pretendia obter com o que fez?

Será que era sua verdadeira intenção prejudicar-te?

O que será que essa pessoa sentiu, quando viu a tua reacção, o teu sofrimento?

Se ela soubesse o quanto te ia magoar, quão diferente teria sido a situação?

(…Respira fundo…)

3ª parte

Respira fundo novamente. Independentemente de acreditares ou não em Deus, este é o momento de observares a mesma situação através dos Seus olhos. Confia! Esta é talvez a parte mais importante.

Deus que quer o melhor para o mundo e para cada um de nós, como achas que Ele veria esta situação?

O que quereria Deus que acontecesse naquele momento?

Como gostaria Deus que a outra pessoa se tivesse comportado, em vez de ter dito o que disse, ou feito o que fez?

O que Deus gostaria que tu tivesses feito ou dito naquele momento?

Como é que Deus gostaria que amb@s tivessem reagido e resolvido aquela situação?

Se amb@s os intervenientes estivessem presentes de forma aberta, consciente e amorosa, como se teriam comportado? De que forma o desfecho poderia ter sido diferente?

(…Respira…)

Acredito que neste momento, possas ter uma perspectiva completamente diferente do que se passou, e de como os teus sentimentos sobre essa situação tenham agora mudado e te sintas mais leve. Normalmente é o que acontece. Mas também poderás necessitar de mais tempo, para conseguires transmutar a energia que te liga a esse acontecimento, de forma a que te sintas totalmente libert@ dela. Está tudo bem, se assim for. Continua a repetir este processo, explorando-o até que sintas que é um assunto resolvido e concluído.

Escolher soltar e avançar

A intenção é libertarmo-nos de amarras do passado, que só nos atrapalham e não nos levam a lado nenhum.

Quando fiz esta meditação, o assunto que escolhi levou-me às lágrimas com raiva à mistura, pois é duro reviver a dor que sentimos num passado, que julgámos já estar arrumado. Mas garanto-te que, após ter experimentado ver a situação “lá de cima”, a situação tornou-se tão caricata, que só me apeteceu rir. É que quando nos desapegamos de uma situação, e conseguimos observa-la fora do papel de vítima, e sob o benefício de diversas perspectivas, sobretudo com os olhos do coração e longe de julgamentos, tudo se torna mais leve e fácil de libertar.

Uma vez ouvi uma interpretação de uma passagem da Bíblia, sobre o oferecermos a outra face quando alguém nos “esbofeteia” (ofende). Esta acção (de oferecer a outra face), não quer dizer que nos tenhamos de meter a jeito, para que nos batam de novo. De todo! Ela tão somente nos convida a virarmos a cara, para que possamos olhar para uma outra perspectiva, ganharmos uma visão completamente diferente do acontecimento, e então escolhermos o melhor caminho para continuarmos a seguir em frente.

Agradeço a tua presença, e desejo-te um dia maravilhoso, com muita paz no coração.

Com amor, Teresa

Maria Luísa
Esta é a imagem que deu alma a este post. Consegues ver o arco-íris? Grata Maria Luisa!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Gratidão pela imagem: fernandozhiminaicela @Pixabay

As tuas palavras são bem-vindas. Deixa um comentário.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s