Flores Dançantes

No outro fim de semana, a celebrar o aniversário do filhote de uns amigos, fomos ao Oceanário de Lisboa. Já lá tínhamos estado em Setembro do ano passado, mas uma ida ao Oceanário é sempre um momento de magia e delícia ao poder observar tantas variedades de peixes num “aquário” imenso como aquele tanque central.

Mas! Desta vez fui surpreendida de forma arrebatadora pela exposição temporária que lá se encontra, a “Florestas Submersas by Takashi Amano”. Sim, é verdade que a exposição já lá está há imenso tempo e já lá estava em Setembro, mas naquele dia depois de vermos o Oceanário todo, já estávamos cansados, com fome e sem vontade para mais exposições…(isto de ir com uma criança de pouco mais de 2 anos, tem que se lhe diga…) Nem imaginava aquilo que perdia…

Desta vez começámos pela exposição temporária (escolha super acertada!!!).

Takashi Amano fotografou várias florestas tropicais pelo mundo fora e a seu ver, como a fotografia não faz jus à beleza que a natureza nos oferece, criou o maior “nature aquarium” do mundo dentro do conceito “wabi sabi” (aquários plantados) em conjunto com técnicas de jardinagem japonesas.

E assim entramos num mundo de tamanha luxuria e beleza natural, debaixo de água, onde vários peixes se movimentam docemente por este ecossistema criado com simplicidade e mestria. Embala-nos a música de Rodrigo Leão, que se funde em perfeita harmonia com esta delicia visual.

Quem me conhece, sabe o quanto eu amo o mar, a água e esta exposição encheu-me a alma.

É um lugar que apetece ficar lá sem fim, sem limite de tempo e deixar-nos envolver por aquele movimento suave em ritmo tão lento, tão próprio, naquela paleta enorme de cores e formas, brilhos e luz.

Fiquei verdadeiramente apaixonada por umas “bailarinas”, flores simples de beleza muito própria e que dançavam com tal leveza, ao som de uma música que só elas ouviam, num movimento que cativava mais que o olhar. Ou será que também ouviam Rodrigo Leão?… (Se quiseres ouvir também, clica no vídeo mais abaixo)

A simplicidade presente nesta exposição convida à meditação e à calma. É como descobrir o nosso mar interior e deixarmo-nos levar à descoberta das maravilhas que temos dentro de nós.

Há tanta beleza no mundo, tanta beleza à nossa volta e na forma de coisas tão simples, que só temos de nos abrir, de abrir os olhos do nosso coração e permitirmo-nos desfrutar da sua totalidade.

Temos o privilégio de ter à nossa disposição estas riquezas. É nosso dever cuidar delas, mantê-las para que se multipliquem, como cuidamos daquilo que “é nosso”, porque nada é mais valioso e nosso do que o lugar onde habitamos, a natureza, este planeta.

Grata pela tua leitura.

Desejo-te um dia maravilhoso. Desfruta-o!

Até breve,

Teresa

Imagem: @teresasalgueiro70 (exposição temporária no Oceanário de Lisboa)

 

One thought on “Flores Dançantes

Deixe uma Resposta para Maria Elisa Aranda Cancelar resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s